Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da hidrólise enzimática (Aspergillus niger) do bagaço da cana-de-açúcar aplicado na produção biológica de hidrogênio empregando Clostridium butyricum como inóculo fermentativo

Processo: 17/12333-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Sanitária - Tratamentos de Águas de Abastecimento e Residuárias
Pesquisador responsável:Maria Bernadete Amâncio Varesche
Beneficiário:Rafaela Arantes Stancari
Instituição-sede: Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/06246-7 - Aplicação do conceito de biorrefinaria a estações de tratamento biológico de águas residuárias: o controle da poluição ambiental aliado à recuperação de matéria e energia, AP.TEM
Assunto(s):Bagaço de cana-de-açúcar   Clostridium   Fungos   Hidrólise enzimática   Fermentação   Tratamento biológico   Aspergillus niger   Reatores anaeróbios em bateladas sequenciais

Resumo

O bagaço de cana-de-açúcar consiste em um dos subprodutos da usina sucroalcooleira que atualmente no estado de São Paulo, soma um valor significativo no final de sua linha de produção. A utilização deste resíduo lignocelulósico para a produção de biocombustíveis como o hidrogênio tem sido alternativa de reaproveitamento ao invés de seu simples descarte. Tais resíduos possuem na sua constituição estrutural grande resistência necessitando passar por um pré-tratamento para permitir o acesso das enzimas hidrolíticas durante a atividade fermentativa para produção biológica de hidrogênio. Diante disso o objetivo deste estudo é realizar o pré-tratamento biológico do bagaço de cana-de-açúcar aplicando o complexo celulolítico produzido pelo fungo Aspergillus niger visando favorecer a produção de hidrogênio. A metodologia consistirá de três etapas: extração do complexo enzimático do A. niger via fermentação em estado sólido utilizando celulose (Sigma®) como substrato; pré-tratamento do bagaço de cana-de-açúcar com diferentes concentrações de enzimas (120, 240 e 360 FPU/mL) e tempos (96, 120 e 144 h); e ensaio de produção biológica de hidrogênio empregando o bagaço da cana-de-açúcar pré-tratado enzimaticamente e Clostridium butyricum como inóculo fermentativo. (AU)