Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de processo de produção de bioinseticida baculovírus por células de inseto Sf9 em biorreator

Processo: 17/06371-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Aldo Tonso
Beneficiário:Karina Klafke
Instituição-sede: Escola Politécnica (EP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/08526-5 - Produção de baculovírus comparando biorreatores STR e wave, BE.EP.MS
Assunto(s):Reatores biológicos   Bioprocessos

Resumo

Vários baculovírus vem sendo usado como pesticida biológico para o controle da lagarta da soja, uma importante praga de plantações de soja no Brasil, como, por exemplo, o Anticarsia gemmatalis multiplenucleopolyhedrovirus (AgMNPV). Atualmente, se produz AgMNPV através da infecção de lagartas (in vivo) e se estuda a possibilidade da produção pela infecção de células de inseto em cultura (in vitro). Para tanto, é necessário determinar as melhores condições de cultivo das células que serão empregadas na produção do vírus, para maximizar a produção dos poliedros virais. Nesta direção, o presente projeto tem o objetivo de estudar o processo de produção de baculovírus em células de inseto Sf-9 visando a produção de bioinseticida. Para isso, será levado em consideração fatores importantes como o crescimento de células de inseto em biorreatores para obtenção de cultivos com alta densidade celular. Será testada oferta de nutrientes às células de diferentes formas, através de cultivos em fed-batch (batelada alimentada), de modo a se prolongar a fase exponencial de crescimento obtendo-se maior concentração de células para serem infectadas. Também será estudada a etapa de infecção, obtendo-se parâmetros para garantir a virulência do produto (poliedros dos baculovírus). Serão realizadas análises do crescimento de células viáveis, do consumo de substratos (glicose e glutamato) e da produção de lactato para acompanhar o desenvolvimento celular. Analisando os dados experimentais, espera-se ter maior conhecimento a respeito do metabolismo do crescimento celular e com isso aperfeiçoar o processo de infecção e os cultivos em biorreatores. (AU)