Busca avançada
Ano de início
Entree

Silenciamento de NOVA1 por RNAi em linhagens celulares de glioblastoma: análise proteômica dos alvos desse fator de splicing e suas repercussões na gliomagênese

Processo: 17/09542-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:José César Rosa
Beneficiário:Igor Fernando Almeida Teodoro
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Espectrometria de massas   Interferência de RNA   Proteômica   Glioma   Processamento de RNA

Resumo

O splicing alternativo, no contexto da diversidade de produtos proteicos a partir de um número restrito de genes, carrega grande importância para a compreensão dos mecanismos que regem a fisiologia celular de diferentes tecidos. Nesse sentido ganha importância a compreensão de como tal mecanismo é regulado, principalmente pelos ditos fatores de splicing. Dentre eles, as proteínas da família NOVA, principalmente NOVA1, tendo em vista as descobertas relacionando esse fator á regulação de variados tipos celulares, como células beta-pancreáticas e células neurais. Assim como ocorre com outros fatores de splicing, a alteração na expressão de NOVA1 tem sido relacionada com o desenvolvimento de neoplasias. Nosso grupo recentemente demonstrou haver uma grande diferença na expressão desse fator entre células de tecidos neurais neoplásicas e não neoplásicas, justificando a investigação da função de NOVA1. Para alcançar esse objetivo, NOVA1 será silenciado por siRNA e o efeito deste silenciamento gênico será investigado por técnicas proteômicas em linhagens de glioblastoma. Assim, objetivamos analisar os possíveis alvos NOVA1 e compreender melhor os mecanismos envolvidos na gliomagênese: 1) Silenciamento por RNAi _NOVA1; 2) Ensaio de proliferação celular e viabilidade celular; 3) Expressão de mRNA-NOVA1 por RT-PCR e abundância de NOVA1 por Western Blotting e 4) Análise proteômica das células silenciadas versus a parental e NTC. (AU)