Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de um sistema de pulverização em confinamento com recuperação e recirculação da calda na aplicação de agroquímicos em viticultura

Processo: 17/12534-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de julho de 2017
Vigência (Término): 31 de maio de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Engenharia Agrícola - Máquinas e Implementos Agrícolas
Pesquisador responsável:Antonio Odair Santos
Beneficiário:Cláudio Alves Moreira
Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/02833-0 - Desenvolvimento de um sistema de pulverização em confinamento com recuperação e recirculação da calda na aplicação de agroquímicos em viticultura, AP.R
Assunto(s):Viticultura   Agroquímicos   Poluição do solo   Controle fitossanitário   Fitossanidade

Resumo

Dentre as tecnologias de manejo para vinhedos incluem-se um grande número de tratamentos fitossanitários para controle de doenças fúngicas e bacterianas além de insetos, ressaltando-se também a aplicação de indutores de crescimento. Sem estes tratamentos, a produção pode ser reduzida ou mesmo totalmente comprometida. Os agroquímicos utilizados nos tratamentos fitossanitários são substâncias tóxicas que podem poluir o ar, água e solo, estendendo sua ação sobre microrganismos, levando a mudanças quantitativas e qualitativas, tanto na estrutura da população edáfica com suas atividades fisiológicas. Ao mesmo tempo que atinge o solo os resíduos podem ser transferidos, sem sofrerem alterações significativas, para o lençol freático, animais e finalmente seres humanos, implicando em riscos potencias de várias doenças. O controle fitossanitário de pragas e doenças é realizado por máquinas especializadas, concebidos para esse fim, sendo os tratamentos eficazes, quando o tamanho das gotículas dispersas é da ordem de dezenas de micrômetros, de modo a cobrir o máximo possível da superfície das folhas. O transporte das gotículas da calda de pulverização é sujeito ao fenômeno da deriva, a qual faz com que uma quantidade, de substâncias tóxicas, que pode ser significativa, possa atingir o solo. Uma solução para contrabalançar o efeito da deriva e outras perdas ocorridas durante a aplicação de defensivos é criar um ambiente de confinamento, isolando temporariamente a área alvo da pulverização, e promovendo a recuperação do excesso de calda, veiculada através da pulverização eletrostática controlada e dirigida. Tal estratégia de engenharia pode maximizar a eficiência na aplicação dos agroquímicos. Considerando este princípio, o desenvolvimento de um protótipo para confinamento e recuperação de calda para vinhedos e cultivos assemelhados é proposto, visando aumentar o nível de controle da pulverização de agroquímicos e atenuar os riscos de poluição do solo, pelos resíduos de pesticidas que não são retidos na superfície das folhas das plantas-alvo e que atingem o microambiente circundante. (AU)