Busca avançada
Ano de início
Entree

Estresse pós-traumático experimental: influência do estresse precoce e caracterização de circuitos neuronais

Processo: 17/10484-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Situação:Interrompido
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Pesquisador responsável:Norberto Garcia Cairasco
Beneficiário:Nayara Cobra Barreiro Barroca
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/21240-3 - Efeitos do estresse precoce e da expressão do gene Egr1 na plasticidade sináptica hipocampal, BE.EP.MS
Assunto(s):Comportamento materno   Proteína Fos

Resumo

O estresse pode ser entendido como o estado de um organismo para reestabelecer o equilíbrio dinâmico, que foi ameaçado ou interrompido por fatores físicos ou psicológicos. O estresse vivido durante a vida precoce, como abuso físico, emocional, sexual, negligência, perda parental, entre outros, está associado com maior risco de desenvolvimento de psicopatologias na vida adulta, como a depressão, distúrbios de ansiedade, abuso de drogas e o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). O TEPT é uma psicopatologia desencadeada por um evento estressante/traumático, sendo notavelmente caracterizado por sintomas relacionados a uma intensa crise de ansiedade, e respostas de evitação e de hipervigilância. Os sintomas do TEPT parecem refletir mudanças induzidas pelo estresse nos sistemas neurobiológicos e adaptação inadequada desses sistemas à exposição a estressores severos, havendo diversos fatores que parecem contribuir para diferentes níveis de vulnerabilidade ou resiliência individual ao transtorno. A proposta do projeto é avaliar se a experiência de estresse durante períodos iniciais de desenvolvimento pós-natal está relacionada com respostas comportamentais aumentadas em um modelo experimental de TEPT e analisar substratos neurobiológicos que podem estar relacionados à etiologia e ao curso do transtorno. Para tanto, utilizaremos um modelo animal de indução de estresse precoce (ELS), em que o comportamento materno é fragmentado e errático e avaliaremos o desenvolvimento de TEPT durante a vida adulta via confronto com predador (serpente). Serão analisados s seguintes fatores: a) efeitos do estresse precoce sobre comportamentos associados ao TEPT e b) atividade neuronal (marcação imuno-histoquímica da proteína Fos e peptídeo CRH) em núcleos encefálicos do sistema de aversão, como o hipocampo, o núcleo paraventricular do hipotálamo (PVN), a substância cinzenta periaquedutal (PAG) e o complexo amigdaloide.