Busca avançada
Ano de início
Entree

Regulação endócrina e parácrina do nicho espermatogonial em Astyanax altiparanae (Teleostei, Characidae): o papel do AMH

Processo: 17/10012-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Maria Ines Borella
Beneficiário:Marília de Paiva Camargo
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Clonagem   Hormônio antimülleriano   Hibridização in situ   Cultura de tecidos   Expressão gênica

Resumo

Em peixes, além da clássica regulação pelo hormônio luteinizante (LH), o hormônio folículo estimulante (FSH) tem também papel indutor da liberação de andrógenos, sendo um potente hormônio esteroidogênico. Entre os fatores de crescimento regulados pelo FSH está o hormônio Anti-Mülleriano (AMH), uma glicoproteína pertencente à família Fator de Crescimento Transformante do tipo Beta (TGF²), presente nas células de Sertoli e com função inibidora da diferenciação espermatogonial. Visando compreender o papel do AMH, será realizada a clonagem e a caracterização molecular do gene amh, seguido da investigação de uma possível expressão do mesmo em diferentes órgãos, e sua expressão durante o ciclo reprodutivo em cativeiro. A técnica de hibridização in situ será utilizada para detectar os sítios de expressão, e a cultura de tecido será padronizada e estabelecida com o objetivo de avaliar a expressão do amh nos testículos sob influência do FSH e do 17²-estradiol, além de, posteriormente, avaliar a capacidade destes em modular a proliferação espermatogonial pela adição de 5-bromo-2'-deoxyuridine (BrdU). Para a realização do presente trabalho, será utilizado como espécie modelo Astyanax altiparanae, popularmente conhecido como lambari-do-rabo-amarelo. Esta espécie tem sido alvo de estudos do nosso grupo de pesquisa que visam caracterizar os aspectos celulares, moleculares e hormonais do eixo hipotálamo-hipófise-gônada deste caraciforme. Os resultados obtidos darão suporte para a melhor compreensão da biologia reprodutiva desta espécie, bem como da homeostase da espermatogênese. Além disso, os resultados sobre a regulação do nicho espermatogonial, especialmente pela ação do AMH, darão subsídios em como estes aspectos podem influenciar a autorrenovação e diferenciação das espermatogônias indiferenciadas, possíveis candidatas às espermatogônias-tronco. (AU)