Busca avançada
Ano de início
Entree

Lateralização funcional do córtex pré-frontal medial na ansiedade e depressão em camundongos: avaliações molecular e psicofarmacológica

Processo: 16/24568-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de julho de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Ricardo Luiz Nunes de Souza
Beneficiário:Nathália Santos Costa
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Assunto(s):Camundongos

Resumo

O estresse, que pode ser definido como uma condição que perturba o equilíbrio fisiológico e psicológico de um indivíduo, é fator de risco para o desenvolvimento de doenças neuropsiquiáticas. No entanto, nem todos os indivíduos que vivenciam um evento estressor desenvolvem doenças relacionadas a ele. Isto se deve à existência de diferenças na habilidade de se adaptar ao estresse, ou seja, a manifestação dos fenótipos de susceptibilidade ou resiliência. A busca pelo entendimento dos sistemas neurais envolvidos nessas diferenças tem evidenciado um papel importante do Córtex Pré-Frontal medial (CPFm) e, mais recentemente, a sua lateralização funcional vem ganhando especial destaque. Neste sentido, estudos sugerem que a exposição ao estresse crônico provoque danos ao CPFm esquerdo (CPFmE), diminuindo sua funcionalidade e culminando em alterações mal-adaptativas persistentes, sendo estas moduladas pelo hemisfério direito (CPFmD). Deste modo, é possível que a inativação do CPFmE mimetize os efeitos deletérios do estresse, aumentando a susceptibilidade do indivíduo. Além disso, alterações moleculares também têm sido apontadas como fundamentais para a expressão da resiliência ou susceptibilidade ao estresse, destacando-se os fatores de transcrição ”FosB e a desregulação na neurotransmissão glutamatérgica. Assim como humanos, roedores expostos a estressores (ex., derrota social crônica) também podem ser classificados em diferentes fenótipos: os susceptíveis, que apresentam alterações comportamentais relacionadas com ansiedade e depressão e diminuem a interação social; e os resilientes, que não desenvolvem tais alterações mal-adaptativas. Neste contexto da lateralização funcional do CPFm, o objetivo do presente trabalho é investigar as alterações comportamentais relacionadas à ansiedade (ex., no teste do labirinto em cruz elevado) e à depressão (ex., nos testes do nado forçado e consumo de sacarose), bem como as alterações moleculares (via imunoistoquímica para proteínas da família Fos em dupla marcação com a proteína quinase dependente de Cálcio/calmodulina, membro da cascata de sinalização intracelular subjacente à ativação de receptores glutamatérgicos NMDA) envolvidas na expressão dos fenótipos resiliente e susceptível ao estresse de derrota social em camundongos. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
VICTORIANO, GABRIEL; SANTOS-COSTA, NATHALIA; MASCARENHAS, DIEGO CARDOZO; NUNES-DE-SOUZA, RICARDO LUIZ. Inhibition of the left medial prefrontal cortex (mPFC) prolongs the social defeat-induced anxiogenesis in mice: Attenuation by NMDA receptor blockade in the right mPFC. Behavioural Brain Research, v. 378, JAN 27 2020. Citações Web of Science: 1.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.