Busca avançada
Ano de início
Entree

Temática e Horizontalização na Política Externa Brasileira: variações no processo decisório nos governos de Fernando Henrique Cardoso

Processo: 17/03988-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2017
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política - Política Internacional
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Janina Onuki
Beneficiário:Martin Egon Maitino
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Instituições

Resumo

O projeto busca avaliar o efeito da variação temática sobre a concentração do poder decisório do Itamaraty na formulação e execução da Política Externa Brasileira. Baseado na literatura existente sobre horizontalização e incorporando elementos da análise político-burocrática e dos estudos presidenciais, o trabalho propõe um grupo de determinantes comuns que potencialmente influenciaria a maior participação presidencial ou de outros ministérios na definição de determinada decisão de política externa, servindo como fatores de controle para a avaliação do efeito da variação temática. Propõe-se como hipótese a ideia de que o grau de horizontalização de determinada decisão em política externa brasileira é afetado pelo nível de politização da questão, pela urgência da resposta, pelo grau técnico da discussão e por sua temática. Visando o teste da hipótese inicial, propõe-se uma comparação estruturada de um grupo de decisões ocorridas durante o período do governo Fernando Henrique Cardoso (1994-2002). A seleção dos casos será feita a partir do método de casos mais similares ou Most Similar Systems Design (Seawright e Gerring, 2008), destacando a variação da variável temática e buscando a similaridade da matriz de variáveis de controle. Os estudos de caso devem ser realizados pela metodologia de process tracing (Collier 2011), triangulando informações entre fontes secundárias, fontes documentais, arquivos de história oral e entrevistas a serem realizadas com atores relevantes. (AU)