Busca avançada
Ano de início
Entree

Regulação entre hsa-miR-4719 e nucleostemina em meduloblastoma

Processo: 17/04325-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 10 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Oswaldo Keith Okamoto
Beneficiário:Leonardo da Costa Carvalheira
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Meduloblastoma   Expressão gênica   Expressão de proteínas

Resumo

O gene POU5F1 é responsável pela expressão da proteína OCT4, que é encontrada com expressão maior do que o normal em células tronco embrionárias e tumorais, e relacionada com a manutenção do estado indiferenciado. Nosso grupo detectou correlação entre aumento da expressão de POU5F1 e diminuição da sobrevida de pacientes com meduloblastoma, pelo aumento da agressividade do tumor por crescimento celular mais rápido, maior invasão celular, maior tumorigenicidade, e maior propensão a metástase. Observou-se também que a maior expressão dessa proteína afetou os níveis de outros transcritos como micro RNAs (miRNA), RNAs não codificadores de cadeia longa, RNAs nucleolares, e outras proteínas. Estudou-se melhor dentre esses transcritos o hsa-miRNA-367, que estava presente nas linhagens menos expresso do que o normal, e fez-se sua super-expressão in vitro e in vivo notando-se maior viabilidade nas células de meduloblastoma. Deduz-se, então, que os miRNAs encontrados com expressão afetada nas linhagens podem afetar a agressividade tumoral de meduloblastoma. Além disso carece informação sobre os mecanismos moleculares de atuação de OCT4 no aumento da agressividade de meduloblastoma na literatura. Assim surge a importância desse projeto, que pretende estudar, das implicações da concentração além do normal de OCT4, o hsa-miRNA-4719, o qual possui expressão menor do que o normal em linhagens de meduloblastoma, e sua relação com a nucleostemina, um possível alvo que encontra-se superexpresso nas mesmas linhagens, e que possui superexpressão também em outros tumores como glioblastomas e neuroblastomas, e em células tronco neurais, mas não na sua progênie diferenciada (TSAI; MCKAY, 2002). Caso o miRNA e a proteína não possuam relação direta pretende-se estudar os mecanismos da nucleostemina em meduloblastoma, pois há também chances de sua síntese ser controlada diretamente pelos transcritos do gene POU5F1. (AU)