Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação imunofenotípica, funcional e gênica de subpopulações de células b em pacientes com esclerose sistêmica submetidos ao transplante autólogo de células-tronco hematopoiéticas

Processo: 16/24443-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 31 de outubro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Pesquisador responsável:Kelen Cristina Ribeiro Malmegrim de Farias
Beneficiário:João Rodrigues Lima Júnior
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08135-2 - CTC - Centro de Terapia Celular, AP.CEPID
Bolsa(s) vinculada(s):18/20343-3 - Avaliação do repertório de receptores de células b em pacientes com esclerose sistêmica tratados com transplante autólogo de células-tronco hematopoiéticas, BE.EP.DR
Assunto(s):Imunorregulação   Escleroderma sistêmico   Terapia baseada em transplante de células e tecidos   Citometria de fluxo   Expressão gênica

Resumo

A esclerose sistêmica (ES) é uma doença autoimune do tecido conjuntivo caracterizada por lesões microvasculares associadas a diferentes graus de fibrose da pele e dos órgãos internos. A ES é classificada em duas formas clínicas principais, ES limitada e ES difusa. Essas formas diferenciam-se pela extensão do envolvimento cutâneo, pelo perfil sérico de autoanticorpos e por evolução e prognóstico distintos. Os mecanismos envolvidos na patogênese da ES não são completamente elucidados, entretanto, sabe-se que as células B convencionais, bem como as células B reguladoras, desempenham um importante papel no desenvolvimento da doença. Além disso, os tratamentos disponíveis são para ES são limitados. Sendo assim, o transplante autólogo de células-tronco hematopoéticas (TACTH) é uma alternativa terapêutica promissora para a ES progressiva/grave, impedindo a progressão da doença e/ou favorecendo o uso da terapêutica convencional em pacientes refratários. O objetivo do presente estudo é avaliar o fenótipo, função e expressão gênica de subpopulações de células B de pacientes com ES tratados pelo TACTH, incluindo: i) avaliação imunofenotípica das subpopulações de células B periféricas, ii) análise funcional de células B reguladoras purificadas; iii) análise da expressão de diversos genes (fatores de transcrição, citocinas, moléculas co-estimulatórias, moléculas de sinalização intracelular) e microRNAs em células B CD19+; iv) produção de citocinas e autoanticorpos por células B estimuladas in vitro Os achados obtidos poderão revelar biomarcadores de prognóstico e/ou de resposta terapêutica envolvidos nesse tipo de tratamento. Nossa hipótese é que, após o transplante, os pacientes apresentem diminuição dos números de células B de memória e aumento de células B reguladoras, levando à involução do acometimento fibrótico da pele e melhora clínica. Desse modo, este estudo ajudará a esclarecer os mecanismos imunológicos e epigenéticos de ação e os benefícios da TACTH no tratamento da ES, o que é necessário para melhoria do protocolo clínico e aplicação mais ampla desta terapia celular inovadora como tratamento da ES.