Busca avançada
Ano de início
Entree

Contribuição do eixo TLR's/Inflamossoma NLRP3/IL-1B nas alterações eletrofisiológicas induzidas pela lesão renal isquêmica

Processo: 17/05974-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica de Processos e Sistemas
Pesquisador responsável:Marcela Sorelli Carneiro Ramos
Beneficiário:Maria Micaela Lopez Alarcon
Instituição-sede: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Ministério da Educação (Brasil). Santo André , SP, Brasil
Assunto(s):Macrófagos

Resumo

Os pacientes com insuficiência renal crônica apresentam alto risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Estas doenças representam 41% das causas de morte em pacientes submetidos a tratamentos de hemodiálise. Sendo assim, o estudo dos mecanismos fisiopatológicos das mesmas é de vital importância. Estudo recente da proponente mostrou concomitantemente o aparecimento de um pico de IL-1², no dia 8 pós reperfusão renal num modelo de isquemia-reperfusão renal (IRR) murino, junto com um aumento expressivo no intervalo QTc no ECG desses animais. Por outro lado a candidata publicou recentemente dados que suportam que IL-1², liberado pela ativação dos receptores do tipo toll (TLR's) 2 e inflamossoma NRLP3 nos macrófagos, tem um papel chave no remodelamento elétrico cardíaco. Neste cenário, o presente trabalho tem como objetivo testar a hipótese que a ativação do eixo TLR's/Inflamossoma NLRP3 e posterior liberação de IL-1² via macrófagos, está implicada nas alterações elétricas cardíacas observadas no modelo de IRR murino. Dados preliminares desta proposta mostram que a falta tanto do NLRP3 (NLRP3-/-) ou de caspase-1 (Casp-1-/-) previne tanto o prolongamento do QTc como o pico de IL-1² sérica no dia 8 após IRR. Ainda, foi observado que a retirada dos macrófagos, utilizando clodronato de lipossoma, foi capas de prevenir o prolongamento do QTc após 8 dias de IRR. Estes dados suportam a hipótese proposta e nos habilitam a continuar com a presente proposta.