Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação e caracterização funcional das proteínas da hemolinfa de carrapatos Amblyomma aureolatum diferencialmente expressas em resposta à infecção por Rickettsia rickettsii

Processo: 17/13776-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de agosto de 2017
Vigência (Término): 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Pesquisador responsável:Andréa Cristina Fogaça
Beneficiário:Leticia Monica Coimbra Gaziola
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/26450-2 - Caracterização molecular das interações entre carrapatos, riquétsias e hospedeiros vertebrados, AP.TEM
Assunto(s):Bioquímica   Biologia molecular   Proteômica   Transcrição genética   Interferência de RNA   Hemolinfa   Carrapatos   Amblyomma aureolatum   Rickettsia rickettsii   Sistema imune

Resumo

A Febre Maculosa das Montanhas Rochosas é causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, a qual é transmitida ao homem pela picada de carrapatos. No Brasil, o carrapato Amblyomma aureolatum é um importante vetor de R. rickettsii. As interações entre patógenos e seus vetores estão intimamente relacionadas com os aspectos fisiológicos da alimentação sanguínea. Após a aquisição da refeição sanguínea, o sangue do hospedeiro é processado no intestino do artrópode hematófago para a aquisição de nutrientes e geração de energia. Caso o sangue ingerido contenha microrganismos, os mesmos precisam ser capazes de resistir aos efeitos de fatores hemolíticos e antimicrobianos que são produzidos pelo epitélio intestinal. Além disso, o patógeno precisa colonizar e/ou atravessar o epitélio intestinal, chegando à hemocele do artrópode vetor, preenchida pela hemolinfa, onde sofre o ataque de reações imunes celulares e humorais. Caso o microrganismo tenha sucesso na evasão das reações imunes da hemolinfa, ainda precisa ser capaz de invadir as glândulas salivares e chegar à saliva, através da qual será transmitido para o hospedeiro vertebrado durante um repasto sanguíneo subsequente. Assim, a identificação das moléculas que participam de cada uma dessas etapas torna-se fundamental, podendo fornecer subsídios para o desenvolvimento de novas ferramentas biotecnológicas para o bloqueio da transmissão desses patógenos. O presente estudo tem como objetivo principal identificar, por uma abordagem proteômica, as proteínas da hemolinfa de carrapatos A. aureolatum diferencialmente expressas em resposta à infecção com R. rickettsii. Algumas dessas proteínas serão selecionadas para a caracterização funcional utilizando o silenciamento da transcrição gênica mediado por RNA de interferência (RNAi). As proteínas identificadas e caracterizadas pelo presente estudo poderão futuramente ser utilizadas como alvos para o desenvolvimento de vacinas tanto para o controle de carrapatos quanto de riquétsias. (AU)