Busca avançada
Ano de início
Entree

Diagnóstico diferencial de Zika, Chikungunya e Dengue por espectrometria de massas de alta resolução e íon mobility

Processo: 17/09726-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Ana Valéria Colnaghi Simionato Cantu
Beneficiário:Fábio Neves dos Santos
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Febre de Chikungunya   Vírus Zika   Dengue

Resumo

As arbovirores Zika, Chikungunya e Dengue tem representado um grande desafio à saúde pública no Brasil devido às condições climáticas favoráveis à disseminação do mosquito vetor Aedes aegypti e seu difícil controle. O reaparecimento da Dengue, a súbita epidemia de Zika e Chikungunya, aliados ao grande número de casos de subnotificações, diagnósticos imprecisos e falsos, colocaram as metodologias diagnósticas como um dos aspectos centrais das pesquisas em arbovirores. A infecção causada pelos vírus Zika, Chikungunya e Dengue requer diagnósticos rápidos e confiáveis para a realização de atividades integradas de monitoramento, supressão e prevenção da transmissão pelo inseto vetor. Os atuais testes diagnósticos do vírus Zika, por exemplo, tem várias limitações. Os testes sorológicos baseados em reações imunológicas possuem baixa especificidade e sensibilidade. Os testes moleculares são eficazes na detecção do RNA do vírus, mas apenas no curto período de tempo após a infecção. Assim, os métodos baseados em metabolômica para detecção de biomarcadores do vírus ou da sua interação com o hospedeiro surgem como ferramentas complementares para diagnóstico, visto que são discriminatórios e podem detectar co-infecções. Os métodos baseados em metabolômica possibilitam a detecção das variações fisiopatológicas em todas as fases da infecção, as respostas imunológicas e as modificações clínicas resultantes. A espectrometria de massas de alta resolução (HRMS) é a técnica mais utilizada nos estudos de metabolômica para a identificação e caracterização de biomarcadores de várias doenças, bem como as infecções virais. A utilização de técnicas e métodos de espectrometria de massas na área de saúde tem aumentado nas últimas décadas devido a: (i) alta sensibilidade e especificidade que possibilitam obter resultados confiáveis em pouco tempo; (ii) simplicidade de execução da análise que é facilmente executado após a padronização da metodologia, podendo ser automatizada; (iii) o alto custo inicial dos equipamentos pode ser rapidamente recuperado devido o baixo custo das análises e altíssima frequência de análise. Recentemente, a técnica de espectrometria de massas de mobilidade iônica (Ion Mobility Mass Spectrometry) tem recebido grande destaque devido a sua altíssima capacidade de separar íons isóbaros (mesma m/z) que não são resolvidos pela cromatografia líquida de alta eficiência, bem como os isômeros. Portanto, a metabolômica por espectrometria de massas de alta resolução tem grande potencial de contribuir para a busca de biomarcadores específicos das infecções dos vírus Zika, Chikungunya e Dengue, além de possibilitar o diagnóstico diferencial dessas arboviroses, mais próximo do estado clínico real do paciente, através da quantificação dos biomarcadores.