Busca avançada
Ano de início
Entree

Variabilidade da vazão do Rio Xingu na região da UHE Belo Monte sob cenários de reconstrução paleoclimática e projeções de mudança climática

Processo: 17/12470-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2017
Vigência (Término): 31 de março de 2019
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:André Oliveira Sawakuchi
Beneficiário:Marcelo Garcia Pereira de Camargo
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Mudança climática

Resumo

Diversas barragens para geração de energia hidrelétrica em rios do leste da Amazônia (rios Tocantins-Araguaia, Xingu e Tapajós) encontram-se em fase inicial de operação, construção ou planejamento. Contudo, projeções climáticas apontam para redução da precipitação no leste da Amazônia nas próximas décadas, a qual pode ainda ser intensificada pelo desmatamento acumulado durante as últimas décadas. Este cenário coloca em questionamento os reais custos-benefícios do aproveitamento hidrelétrico de rios da Amazônia, em vista dos sérios impactos socioambientais decorrentes de sua construção e operação. Neste contexto, destaca-se o Rio Xingu, onde foi construída a Usina Hidrelétrica de Energia (UHE) Belo Monte. Projeções preliminares obtidas pelo proponente deste projeto de mestrado (Camargo, 2016) apontam vazões futuras em média 28% menores às historicamente observadas no Rio Xingu. Este resultado preliminar sugere que a geração futura de energia pela UHE Belo Monte deverá ser afetada de maneira negativa, sob cenário de mudança climática projetada para as próximas décadas.O objetivo deste projeto é avaliar a geração de energia hidrelétrica pela UHE Belo Monte sob a variabilidade climática multidecadal a secular do Holoceno médio e tardio (últimos 5.000 anos) e cenário futuro de mudança climática. Isto envolverá cenários de precipitação gerados por modelos climáticos e simulações de vazão do Rio Xingu, com destaque para eventos extremos de variação de precipitação nas próximas décadas (até o ano de 2100). A influência de eventos climáticos abruptos na vazão do Rio Xingu será considerada sob diferentes cenários de vegetação da bacia. Para a simulação da vazão do Rio Xingu, será utilizado modelo numérico hidrológico, que simula a vazão por meio de cálculos de escoamento superficial derivado da interação entre topografia e precipitação. Isto permite simular vazões do Rio Xingu a partir de reconstruções passadas e projeções futuras de precipitação, obtidas através de modelos climáticos, tais como os utilizados nas projeções do IPCC (International Panel on Climate Change).Este projeto vincula-se ao Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais (processo 2016/02656-1) e se justifica pela relevância e urgência em projetar o efeito da mudança climática nos recursos hídricos do leste da Amazônia. Isto é fundamental para a discussão de políticas energéticas para o País, com maior segurança energética, eficiência e sustentabilidade.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CAMARGO, Marcelo Garcia Pereira de. Variabilidade da vazão do Rio Xingu na região da UHE Belo Monte sob cenários de projeções multimodelo de mudança climática. 2019. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Geociências (IG/BT) São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.