Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeitos da meta-clorofenilpiperazina (mCPP) na indução de comportamentos tipo compulsivo em ratos avaliados no teste do campo aberto

Processo: 17/00670-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Fisiológica
Pesquisador responsável:Paulo Eduardo Carneiro de Oliveira
Beneficiário:Viviane Miwa Kawaoku
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Medo   Ansiedade   Transtorno obsessivo-compulsivo   Psicobiologia   Modelos animais

Resumo

O Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) é uma psicopatologia em que o indivíduo é incapaz de controlar pensamentos intrusivos (obsessões) e, para tentar afastá-los, se engaja em atividades repetitivas (compulsões). Diversos modelos animais têm sido utilizados para estudo dos mecanismos envolvidos no TOC, sendo a autolimpeza o comportamento mais frequentemente avaliado. Em estudo anterior de nosso grupo, ratos separados de acordo com a expressão de autolimpeza no teste do labirinto em cruz elevado (LCE) não diferiram quando expostos a testes de medo/ansiedade e compulsividade, sugerindo que a autolimpeza observada no LCE não estaria relacionada com ansiedade em geral, ou com o TOC especificamente. Em outros estudos, foi constatado que a meta-clorofenilpiperazina (mCPP), um agonista serotoninérgico não seletivo, poderia tanto induzir comportamentos compulsivos quanto diminuí-los, dependendo da dose utilizada. Tais achados evidenciam a necessidade de maiores investigações sobre os efeitos da mCPP sobre comportamentos tipo-compulsivos no desenvolvimento de modelos animais para estudo do TOC. Assim, o presente estudo pretende contribuir para a padronização do uso da autolimpeza induzida por mCPP como modelo animal para estudo do TOC e auxiliar no esclarecimento da relação entre TOC e ansiedade. Para isso, ratos Wistar machos receberão salina ou mCPP nas doses de 0,1, 1,0 ou 3,0 mg/kg e terão o comportamento de autolimpeza avaliado por 20 min. Na sequência, os animais serão expostos por 20 min ao teste do campo aberto para avaliação de comportamentos tipo-compulsivos (mastigação sem propósito, postura corporal plana e autolimpeza), comportamentos associados à ansiedade (congelamento e exploração centro/borda) e possíveis prejuízos na atividade motora (cruzamentos e levantamentos). Espera-se estabelecer a dose de mCPP capaz de aumentar a autolimpeza e outros comportamentos tipo-compulsivos sem comprometer a atividade motora, e explorar sua influência sobre a ansiedade. (AU)