Busca avançada
Ano de início
Entree

BioMOF (Biocompatible Metal-Organic Framework) de zinco como sistema de liberação de metalofármacos com atividade anticancerígena

Processo: 17/13961-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 08 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Pesquisador responsável:Regina Celia Galvao Frem
Beneficiário:Renan Augusto Marson Armando
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/26746-5 - Estruturas core-shell do tipo MOF@MOF como sistemas de liberação bimodal de fármacos, BE.EP.IC
Assunto(s):Metalofármacos   Estrutura metal-orgânica   Sistemas de liberação de medicamentos   Anticarcinógenos   Química de coordenação

Resumo

Sistemas de liberação de fármacos estão entre os segmentos com maior potencial de aplicação na indústria farmacêutica, devido a possibilidade de otimização do índice terapêutico e a diminuição de efeitos tóxicos inerentes ao fármaco. Atualmente, os sistemas mais utilizados para liberação de fármacos são lipossomas, nanopartículas, nanoemulsões ou micelas, cuja principal limitação está associada à baixa capacidade de incorporação de fármacos, em geral, menos do que 5% em massa do fármaco transportado em relação aos materiais transportadores. De modo a superar essa barreira farmacológica, novos sistemas vêm sendo estudados e desenvolvidos, dentre eles um novo material poroso conhecido como MOF (Metal-Organic Framework) ou redes metalo-orgânicas. As redes metalo-orgânicas pertencem a uma nova classe de materiais do grupo dos polímeros de coordenação e são sólidos cristalinos altamente porosos construídos a partir de ligações covalentes entre íons ou clusters metálicos e ligantes orgânicos polidentados. No que diz respeito às aplicações biológicas dessa classe de materiais, destacam-se as BioMOFs, Biocompatible MOFs, que são construídas a partir de blocos de construção biologicamente compatíveis, como bioelementos (Zn, Fe, Cu) e ligantes como aminoácidos, peptídeos, bases nitrogenadas, etc. Nos últimos anos, o interesse na obtenção de novos fármacos à base de metais visando o tratamento do câncer aumentou consideravelmente. A descoberta da atividade biológica da cisplatina e seu subsequente sucesso como fármaco no tratamento do câncer impulsionou o estudo de inúmeros complexos análogos, que apresentaram, em geral, similaridades na atividade antitumoral. Por apresentarem mesmas configuração eletrônica de valência e geometria em relação à compostos de Pt(II), compostos de coordenação contendo o íon Pd(II) estão sendo investigados para esse mesmo fim. Sendo assim, esse trabalho pretende sintetizar a BioMOF-1, obtida a partir da interação entre íons Zn(II), adenina e o ligante 4,4'-bifenildicarboxílico, e investigar a potencialidade de uso desse material como sistema de liberação dos complexos [PdCl(PPh3)L)] (PPh3 = trifenilfosfina, L = N-etil-1-iminotiolato-3,5-dimetilpirazol ou frambionatiossemicarbazona), que apresentam propriedades anticancerígenas comprovadas (IC50 < 1 µmol L-1 para a linhagem de câncer de mama MCF-7). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARSON ARMANDO, RENAN AUGUSTO; ABUCAFY, MARINA PAIVA; GRAMINHA, ANGELICA ELLEN; DA SILVA, ROBERTO SANTANA; GALVAO FREM, REGINA CELIA. Ru-90@bio-MOF-1: A ruthenium(II) metallodrug occluded in porous Zn-based MOF as a strategy to develop anticancer agents. Journal of Solid State Chemistry, v. 297, MAY 2021. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.