Busca avançada
Ano de início
Entree

A teoria da renda da terra na escola clássica e alguns fenômenos do capitalismo contemporâneo

Processo: 17/14907-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2017
Vigência (Término): 30 de setembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Economia - Teoria Econômica
Pesquisador responsável:Leda Maria Paulani
Beneficiário:Guilherme Veiga Arthen
Instituição-sede: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Propriedade   Direito de propriedade   Renda da terra   Relação social   Riqueza   Capitalismo   Economia política

Resumo

A renda da terra foi um conceito intensamente problematizado e explorado na Ciência Econômica desde os chamados pré-clássicos, passando pelo pensamento fisiocrático para então ser abordada pela Escola Clássica. Esta última trabalhou com tal categoria econômica ao mesmo tempo que enunciava leis e tendências macrodinâmicas que davam conta de descrever ou prever fenômenos, sempre se debruçando sobre as questões distributivas envolvendo as classes sociais e o excedente econômico, questionando-se a respeito da formação do valor e sua transformação em preço e desaguando na compreensão destas categorias como oriundas da evolução de um processo sócio histórico. Nesta linha, autores como Adam Smith, David Ricardo, Thomas Malthus e Karl Marx têm destaque e trazem à tona estas discussões. A partir dos anos 1970, a alterações substantivas no regime de acumulação capitalista surgiram, havendo uma dominância do capital financeiro sobre as demais formas. Tal forma tem como peculiaridade um processo de valorização cada vez mais apartado da esfera produtiva, preconizando ativos, cuja lógica de extração de rendimentos é ancorada no direito de propriedade, lógica análoga à renda da terra. A propriedade, como fundamento da valorização, relativamente à esfera produtiva, altera a forma como as relações sociais se dão e, com isso, as decisões de investimento e alocação de renda, alterando a maneira como a riqueza será repartida entre os diferentes grupos. Desta forma, o aprofundamento da compreensão desta categoria jogará luz no entendimento destes rendimentos e, por conseguinte, no próprio funcionamento do capitalismo contemporâneo. (AU)