Busca avançada
Ano de início
Entree

Qual a melhor ferramenta clínica de avaliação para identificar risco de quedas em idosos mais velhos?

Processo: 17/06594-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Daniela Cristina Carvalho de Abreu
Beneficiário:Maiara Baena Genovez
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Acidentes por quedas   Equilíbrio postural   Idosos   Envelhecimento   Fisioterapia

Resumo

O envelhecimento associa-se às modificações dos sistemas sensório-motores, que aumentam o risco de quedas nos idosos. O equilíbrio corporal é avaliado por diferentes ferramentas, mas não se sabe qual seria mais ideal para avaliar o risco de quedas em idosos de diferentes faixas etárias. O objetivo do estudo é identificar qual ferramenta de avaliação, dentre o BESTest, o Mini-BESTest e o Timed Up and Go Test, tem maior correlação com histórico prévio de quedas em idosos abaixo e acima de 80 anos de idade e correlacionar o histórico de quedas dos idosos com as pontuações obtidas nessas avaliações. Os idosos serão divididos em dois grupos G1= 64 idosos (acima de 80 anos) e G2= 64 idosos (abaixo de 80 anos). O déficit cognitivo será avaliado pelo Mini Exame do Estado Mental (MEEM). Serão analisados o histórico de quedas e fatores de risco para quedas através de um questionário desenvolvido pelo Laboratório de Avaliação e Reabilitação do Equilíbrio, o equilíbrio pelos instrumentos Balance Evaluation Systems Test (BESTest) e o Mini-Balance Evaluation Systems Test (Mini-BESTest) e a mobilidade funcional básica dos pacientes, através do teste Timed Up and Go (TUG). Para a análise dos dados, será utilizado o software SPSS 14 SPSS Inc., Chicago, Illinois, USA, com associação entre os dados categóricos realizados por meio do teste quiquadrado (c2), e significância de 5%. As correlações entre histórico de quedas e a pontuação dos testes, serão analisadas através do coeficiente de correlação de Pearson ou Spearman. (AU)