Busca avançada
Ano de início
Entree

Planejamento da produção e distribuição de polímeros reciclados

Processo: 17/07573-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2017
Vigência (Término): 30 de setembro de 2018
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Produção - Pesquisa Operacional
Pesquisador responsável:Eli Angela Vitor Toso
Beneficiário:Arthur Guedes Pinto
Instituição-sede: Centro de Ciências em Gestão e Tecnologia (CCGT). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Campus de Sorocaba. Sorocaba , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/01860-1 - Problemas de corte, empacotamento, dimensionamento de lotes, programação da produção, roteamento, localização e suas integrações em contextos industriais e logísticos, AP.TEM
Assunto(s):Planejamento da produção   Programação matemática   Reciclagem   Polímeros (materiais)

Resumo

A Divisão Polímeros, pertencente à rede de cooperativas de reciclagem Cata-Vida, atua na reciclagem de polímeros coletados pelas cooperativas, trazendo benefícios sociais e econômicos para seus cooperados. Um dos desafios desta rede é o planejamento das atividades de produção e distribuição, ou seja, a decisão de quanto enviar de material de cada cooperativa para a Divisão Polímeros, e quanto vender diretamente para as empresas recicladoras, considerando a capacidade de cada processo da planta. Nesse sentido, o objetivo desse projeto é dar continuidade ao trabalho desenvolvido por Soares e Toso (2016), que propôs um modelo de programação matemática para apoiar as decisões de planejamento da produção e da distribuição da rede. O modelo considera que os polímeros recicláveis podem ser vendidos diretamente às empresas recicladoras, ou podem ser processados na planta da rede. Nesta planta é possível a realização de três atividades para agregação de valor ao produto: armazenagem e consolidação; lavagem e picotagem; extrusão para produção de peletes. A proposta é reformular o modelo, integrando de forma mais adequada as decisões de transporte e permitindo o fluxo de material entre cooperativas; além da incorporação de novos critérios de otimização, associados aos aspectos ambiental e social, que são inerentes ao contexto do problema. (AU)