Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise clínica e radiológica da ocorrência de inflamação decorrente da aplicação de sulfato de condroitina intra-articular em joelhos de cães submetidos a TPLO

Processo: 17/17610-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2017
Vigência (Término): 30 de setembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Cassio Ricardo Auada Ferrigno
Beneficiário:Ana Paula Este de Araujo
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Cães   Joelho   Articulação do joelho   Inflamação   Sulfatos de condroitina   Ortopedia

Resumo

A ruptura do ligamento cruzado cranial (RLCCr) é uma das lesões ortopédicas mais comuns no cão e a maior causa de doença articular degenerativa (DAD) do joelho. Sua principal manifestação clínica é a claudicação. Dentre as causas dessa ruptura, temos doenças articulares inflamatórias sistêmicas, traumas, doenças degenerativas ou associação destas. A RLCCr traz sequelas para a articulação do joelho, incluindo comprometimento da estabilidade estática, alteração cinemática e da função motora, desencadeando sobrecarga articular e microlesões à cartilagem articular. O tratamento mais indicado para esta afecção é o tratamento cirúrgico, sendo que a osteotomia para o nivelamento do platô tibial (TPLO-Tibial Plateau Leveling Osteotomy) é a mais empregada atualmente. A taxa de sucesso é de 85 a 90%, contudo, complicações pós-operatórias da TPLO são observadas em 14,8 a 37% dos casos e incluem infecção da ferida cirúrgica, osteomielite, falhas do implante e seroma. A utilização de condroprotetores visa retardar a progressão da DAD e com isso melhorar o resultado clínico pós-operatório. O presente trabalho tem como objetivo avaliar se há efeitos inflamatórios decorrentes da injeção intra-articular de sulfato de condroitina em articulação femorotibiopatelar de cães submetidos ao procedimento de TPLO, baseando-se no grau de claudicação, presença de dor, quantificação de edema e presença de infecção. (AU)