Busca avançada
Ano de início
Entree

Análises oxi-lipidômicas dos efeitos da oxidação dos plasmalogênios no remodelamento lipídico de células sob estresse oxidativo

Processo: 17/16140-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de novembro de 2017
Vigência (Término): 31 de outubro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Pesquisador responsável:Sayuri Miyamoto
Beneficiário:Rodrigo Lucas de Faria
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Lipidômica   Plasmalogênios   Ácidos graxos insaturados   Oxidação   Estresse oxidativo

Resumo

Plasmalogênios são fosfolipídios presentes em todos os tecidos humanos. Representam cerca de 20% de todos os fosfolipídios. Caracterizam-se pela presença uma ligação do tipo éter vinílico na cadeia alifática da posição sn-1 do glicerol, enquanto na posição sn-2 o glicerol é esterificado, na grande maioria das vezes, à ácidos graxos poliinsaturados (PUFAs). Embora estudos tenham demonstrados os efeitos protetores de plasmalogênios em modelos celulares submetidos à estresse oxidativo, os mecanismos propostos para seu efeito antioxidante são controversos. Por exemplo, a reação do grupo vinil éter com espécies reativas de oxigênios (ROS) gera produtos reativos como dioxetanos e aldeídos, os quais podem propagar os danos oxidativos. Experimentos prévios do laboratório mostraram que queratinócitos submetidos à estresse UVA sofrem remodelamento lipídico acompanhado de um decréscimo expressivo de PUFAs de membrana e aumento de triacilgliceróis enriquecidos em PUFAs (dados não publicados). Baseado nestes dados e no trabalho de Bailey (Cell 2015, 163:340), no qual foi evidenciado um mecanismo antioxidante envolvendo realocação de PUFAs da membrana para os corpúsculos lipídicos, formulamos a hipótese de que plasmalogênios poderiam participar desse processo direta ou indiretamente, servindo como fonte de PUFAs ou de espécies sinalizadoras (ex. lipídeos oxidados). Para testar esta hipótese, o presente projeto tem como metas: a) realizar análise oxi-lipidômica qualitativa e quantitativa (lipidômica de lipídeos não-oxidados e oxidados) com foco no remodelamento lipídico induzido por estresse UVA em duas linhagens celulares (HaCat e RPE); b) caracterizar os principais produtos oxidados (dioxetanos, aldeídos, lisofosfolipídeos, etc) derivados da reação do plasmalogênio com espécies reativas geradas pelo estresse UVA; c) acompanhar a realocação de PUFA da membrana para os triacilgliceróis utilizando DHA marcado com carbono-13. (AU)