Busca avançada
Ano de início
Entree

Joaquim Pedro de Andrade e o modernismo

Processo: 17/11788-9
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 05 de fevereiro de 2018
Vigência (Término): 04 de junho de 2018
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Letras - Literatura Brasileira
Pesquisador responsável:Ivan Francisco Marques
Beneficiário:Ivan Francisco Marques
Anfitrião: John Randal Johnson
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of California, Los Angeles (UCLA), Estados Unidos  
Assunto(s):Cinema novo   Modernismo no Brasil

Resumo

Este projeto de pesquisa propõe uma investigação dos nexos existentes entre o Cinema Novo e o Modernismo - movimentos vanguardistas ocorridos no Brasil em épocas e áreas artísticas distintas, mas caracterizados por impasses semelhantes, próprios de contextos periféricos. Decisiva para a formação do cinema brasileiro moderno, a retomada do legado modernista nas décadas de 1960 e 1970 se deu em múltiplas frentes: na experimentação formal, vinculada ao desejo comum de atualização; na adoção de uma ideologia nacionalista e anticolonialista; no envolvimento dos artistas com a cultura popular e a luta política; nas leituras críticas, realizadas tanto por escritores como por cineastas, a respeito do país, da modernização conservadora e dos dramas enraizados na história brasileira. A proposta se concentra no estudo da obra de Joaquim Pedro de Andrade, abarcando filmes de fases e gêneros diversos. Em toda a sua obra, o diretor mantém o gosto pela pesquisa estética e uma preocupação obsedante com o Brasil, traços que o conduzem a uma exploração contínua dos personagens, do ambiente, do ideário e das inquietações modernistas. Trata-se, portanto, de investigar a contribuição do Modernismo aos debates do Cinema Novo por meio do estudo e da interpretação do olhar crítico - ao mesmo tempo amistoso e irreverente -, que o diretor de Macunaíma dedicou ao movimento artístico e literário da década de 1920. O projeto propõe um estágio de pesquisa, com duração de quatro meses (de fevereiro a maio de 2018), na University of California, Los Angeles (UCLA), sob a supervisão do professor Randal Johnson, que desde os anos 1970 se dedica ao estudo da literatura e do cinema brasileiros, sendo um dos maiores especialistas em Cinema Novo do mundo. Além da pesquisa em acervos e do diálogo com pesquisadores da UCLA, a proposta prevê ainda a interlocução com brasilianistas de outras universidades americanas.