Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação sobre alterações cardíacas que ocorrem no envenenamento pela peçonha do escorpião Tityus serrulatus

Processo: 17/02314-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 31 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Lúcia Helena Faccioli
Beneficiário:Mouzarllem Barros dos Reis
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/07125-6 - Novos aspectos funcionais dos eicosanóides, AP.TEM
Assunto(s):Choque cardiogênico   Envenenamento   Eicosanoides   Inflamassomos

Resumo

Existem cerca de 1500 espécies de escorpião na natureza, e destas, cerca de 50 possuem peçonha tóxica para humanos. O envenenamento pelo escorpião causa sintomas locais como dor intensa e rubor, e pode induzir manifestações sistêmicas bastante relevantes. Dentre as manifestações clínicas mais importantes, destacam-se o edema pulmonar agudo e o choque cardiogênico, que podem levar a morte. No entanto, os mediadores e demais fatores responsáveis pelas manifestações cardiogênicas são pouco conhecidos. Nos últimos anos, temos estudado os mecanismos que levam a reação inflamatória e ao edema pulmonar no escorpionismo. Demonstramos que a peçonha do escorpião Tityus serrulatus (TsV) (espécie nativa do Brasil e presente em grandes centros urbanos) é reconhecida por receptores padrões da imunidade inata (PRRs). Mostramos recentemente que a inoculação intraperitoneal de TsV induz, nos pulmões, a liberação de prostaglandina E2 (PGE2), a qual induz a produção de IL-1² via mecanismo dependente dos receptores de PGE2 (EP2 e EP4), e da proução/ativação de cAMP, PKA e NF-º². A interação de IL-1² com seu receptor (IL-1R) induz edema e recrutamento de neutrófilos para os pulmões, e também medeia a mortalidade induzida pela peçonha. A ação da IL-1² também induz a produção de leucotrieno B4 (LTB4), e a interação deste com os receptores BLT1/2 diminui a produção de cAMP, controlando assim a inflamação induzida pelo TsV. Estes resultados sugerem que o balanço entre LTB4 e PGE2 determina a quantidade de IL-1 ² produzida via ativação do inflamassoma e, consequentemente, a intensidade das manifestações pulmonares e a taxa de mortalidade no envenenamento. Entretanto, os mecanismos que levam ao choque cardiogênico não são totalmente elucidados, mas sabe-se que citocinas pro-inflamatórias liberadas, aminas vasoativas e peptídeos trombogênicos da peçonha, agem nas artérias coronarianas e possivelmente nos cardiomiócitos, induzindo mecanismo semelhante ao que induz edema pulmonar no envenenamento por TsV. Neste projeto, iremos investigar inicialmente em células in vitro, e depois em camundongos, se a peçonha de escorpião, via indução de citocinas e eicosanóides, induz choque cardiogênico, pelos mesmos mecanismos descritos por nós e que levam ao edema pulmonar. Experimentos in vitro serão realizados para elucidar os mecanismos. Esperamos encontrar uma nova ferramenta que previna ou melhore as alterações cardíacas que ocorrem no escorpionismo.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
REIS, MOUZARLLEM BARROS; ZOCCAL, KARINA FURLANI; GARDINASSI, LUIZ GUSTAVO; FACCIOLI, LUCIA HELENA. Scorpion envenomation and inflammation: Beyond neurotoxic effects. Toxicon, v. 167, p. 174-179, SEP 2019. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.