Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos efeitos cardiovasculares e renais da denervação seletiva dos aferentes renais de Ratos Wistar 2 rins, 1 clipe

Processo: 17/12383-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Cassia Marta de Toledo Bergamaschi
Beneficiário:Nathalia Rodrigues Lopes
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Fisiologia cardiovascular   Hipertensão   Proteinuria   Estresse oxidativo

Resumo

Sabe-se que o estresse oxidativo e o aumento da atividade nervosa simpática renal (ANSr) exercem um importante papel na hipertensão arterial (HA). Estudos prévios em nosso laboratório demonstraram que a via da angiotensina II (Ang II)-receptor de Ang II tipo 1 (AT-1)-NADPH oxidase leva ao aumento do estresse oxidativo nos rins e nas regiões encefálicas pré-motoras do simpático no modelo experimental de HÁ renovascular. Ademais, estudos evidenciam que o nervo renal contribui para o desenvolvimento da injúria, inflamação e aumento na excreção de proteínas renais. Além da inervação simpática, o rim é inervado por fibras aferentes capazes de influenciar a ANSr. Sob condições fisiológicas, a ativação das fibras aferentes leva a uma resposta simpatoinibitória e, em contrapartida, o aumento exacerbado da atividade dos aferentes renais contribui para o aumento da pressão arterial, provavelmente decorrente de um efeito simpatoexcitatório na HA. Diante dessas evidências, a hipótese do presente projeto é que as fibras aferentes renais contribuem para a HA, simpatoexcitação e alterações renais, como função, estresse oxidativo e mecanismos envolvidos no aumento da proteinúria em ratos hipertensos renovasculares (2 Rins-1 Clipe). Portanto, o presente projeto pretende avançar nos estudos dos mecanismos pelos quais a denervação renal em pacientes com HA resistente ao tratamento farmacológico é eficaz em reduzir os níveis pressóricos e melhorar a função renal e contribuir para o aprimoramento de novas estratégias terapêuticas para a HA. (AU)