Busca avançada
Ano de início
Entree

Viabilidade do peptídeo antimicrobiano Ctx(Ile21)-Ha como aditivo nutricional in vitro e para controle de Salmonella sp. em pintainhas de postura

Processo: 17/21822-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Pesquisador responsável:Eduardo Festozo Vicente
Beneficiário:Larissa Pires Pereira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Engenharia. Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Tupã. Tupã , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/00446-7 - Aplicação de peptídeos antimicrobianos como novos aditivos na nutrição animal, AP.JP
Assunto(s):Segurança alimentar   Anti-infecciosos   Peptídeos   Salmonella typhimurium   Salmonella   Microbiologia

Resumo

Diante de um mercado cada vez mais exigente e preocupado com a qualidade e segurança dos alimentos, a composição das rações fornecidas aos animais e a busca por novos compostos torna-se relevante e demandada. O uso de antibióticos sintéticos causa uma grande resistência bacteriana em aves poedeiras, além de rastros e resíduos que podem afetar a saúde humana. Neste sentido, o peptídeo antimicrobiano Ctx(Ile21)-Ha, extraído e isolado da rã do cerrado brasileiro Hypsiboas albopunctatus, vem sendo bastante estudado por nosso grupo de pesquisa e demonstrou ser uma molécula muito promissora, devido às suas atividades biológicas apresentadas contra bactérias patogênicas como Escherichia coli, Salmonella enteritidis e Salmonella typhimurium, os quais são microrganismos indesejáveis especificamente para a produção de aves poedeiras. Assim, este trabalho objetiva o estudo da viabilidade do peptídeo Ctx(Ile21)-Ha in vitro e in vivo, em pintainhas de postura nas primeiras quatro semanas de vida. Por meio de técnicas microbiológicas, serão avaliadas a contagem de colônias bacterianas de Salmonella sp., no conteúdo cecal e intestino como um todo, após a adição do peptídeo. Esta molécula será adicionada à ração numa micropartícula revestida para liberação direta no intestino do animal. Desta forma, espera-se que o número de UFC das bactérias patogênicas decresça após a administração deste peptídeo, para que sejam realizados os próximos testes desta molécula como novo aditivo nutricional. (AU)