Busca avançada
Ano de início
Entree

A reprodução sexuada em espécies de águas-vivas (Scyphozoa, Cnidaria) do litoral sudeste brasileiro

Processo: 17/12970-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Morfologia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:André Carrara Morandini
Beneficiário:Gisele Rodrigues Tiseo
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Microscopia confocal   Medusas   Crescimento animal   Histologia

Resumo

Para águas-vivas da classe Scyphozoa existe pouca informação descrevendo a formação e morfologia da gônada, bem como são poucos os trabalhos avaliando o crescimento gonadal em comparação com o crescimento somático. O presente projeto visa preencher lacunas dentro do conhecimento da reprodução sexuada de espécies de Scyphozoa, focando em duas vertentes: uma abordagem ecológica (determinação do crescimento somático e gonadal) e a abordagem morfológica (descrição da morfogênese e origem da gônada). Para tal, serão utilizadas oito espécies pertencentes a diferentes ordens de cifomedusas: Coronatae (Nausithoe aurea, N. eumedusoides), Semaeostomeae (Chrysaora lactea, C. plocamia, Aurelia coerulea) e Rhizostomeae (Lychnorhiza lucerna, Cassiopea andromeda, Stomolophus cf. meleagris). Estas espécies serão cultivadas em laboratório e o crescimento desde éfira até a medusa adulta madura será acompanhado semanalmente. Os dados laboratoriais serão combinados com observações de exemplares da natureza que serão coletados mensalmente, na região da Praia do Jabaquara, municipio de São Sebastião, por dois anos para obter-se indivíduos de todas as classes de tamanho das espécies L. lucerna e C. lactea. Medidas do diâmetro da umbrela, peso úmido, peso seco e peso seco livre de cinzas, tanto do indivíduo quanto da gônada, serão tomados para posteriores cálculos de crescimento somático, gonadal e índice gonadal. Para a descrição da morfogênese da gônada, amostras para a microscopia de luz serão fixadas em paraformaldeído 4% preparado com água do mar em tampão fosfato de sódio 0,2M por 24 horas. Após a fixação, as amostras serão tamponadas em tampão fosfato de sódio 0,2M e processadas de acordo com protocolo de histologia em historesina Leica® e parafina. Para a microscopia eletrônica de transmissão (MET) fragmentos gonadais serão fixados em solução de Karnovsky 2,5% de glutaraldeído, 2% de paraformaldeído em tampão cacodilato de sódio (pH 7,4) 0,1M com CaCl2 a 2.5mM por quatro horas a 4ºC, sendo posteriormente processadas de acordo com protocolo de MET para resina Spurr®. Para a análise da morfologia macroscópica da gônada em Micro-CT, indivíduos inteiros das espécies Nausithoe aurea e Nausithoe eumedusoides serão fixados em solução de Trumps (4% de paraformaldeído, 1% de glutaraldeído em tampão cacodilato de sódio 0,2M e sacarose) por 24 horas e processadas segundo protocolo para observação de blocos de resina em Micro-CT. Para a identificação da origem das gônadas de células intersticiais da gastroderme, indivíduos das espécies Nausithoe aurea e Aurelia aurita serão fixados em paraformaldeído 4% por uma hora, lavados quatro vezes em Tampão fosfato de sódio Triton 3% e bloqueados em tampão fosfato de sódio Triton com albumina de soro bovino a 2% por 30 minutos. Posteriormente, um anticorpo específico para marcação de BrdU, conjugado a um fluorocromo, será aplicado aos cortes, os quais serão então analisados utilizando o microscópio confocal Leica®. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.