Busca avançada
Ano de início
Entree

Espectrômetro de massas íon TRAP para realização de espectroscopia vibracional no infravermelho

Processo: 17/22441-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 15 de março de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Físico-química
Pesquisador responsável:Thiago Carita Correra
Beneficiário:Sharla Elizabete Nascimento Aragão
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/15962-5 - Mecanismos de reação de sistemas catalíticos assimétricos por espectrometria de massas e espectroscopia vibracional de íons na fase gasosa, AP.JP
Assunto(s):Espectrometria de massas   Infravermelho   Vácuo   Instrumentação (física)

Resumo

Conforme documentação para a aceite do projeto EMU 2015/08539-1, associado a esse projeto Jovem Pesquisador 2014/15962-5, é necessário que o projeto possua apoio de um técnico dedicado ao equipamento multiusuário. Em nosso caso, devido à grande necessidade de modificação e adaptação da instrumentação, essa exigência se torna ainda mais importante. Na época que o projeto foi iniciado, contávamos com um técnico de laboratório disponibilizado pelo Instituo de Química, o Sr. Jair João Menegon. O Sr. Jair possuía bastante experiência na manutenção de equipamentos de laboratório e espectrômetros de massas, além de conhecimentos de informática e eletrônica que auxiliaram na montagem do equipamento, objetivo principal desse projeto de pesquisa. Entretanto, o Sr. Jair se desligou do Instituto em Maio de 2017 e não faz mais parte do quadro da Universidade. Dessa forma, os projetos instrumentais e o andamento dos experimentos sofreram sem o suporte técnico adequado. Como a situação financeira da USP não permite que sejam contratados novos técnico, essa posição não será reposta pela Universidade ou unidade, apesar da manifestação de garantia da disponibilidade de técnico firmada. Além disso, devemos apontar que diversos grupo da nossa instituição tem utilizado o equipamento, além de usuários externos a essa instituição. No último ano, 27% dos projetos conduzidos por esta instrumentação são realizados por outros grupos, o que julgamos ser um número elevado devida a especificidade das análises realizadas por essa instrumentação, que é única no país. Sem o técnico de laboratório dedicado para esse instrumento, além de não ser possível garantir seu desempenho, alunos do grupo ou o próprio coordenador precisam conduzir análises para usuários externos. Isso impede que outras atividades relevantes para o projeto sejam realizadas. A própria natureza das análises, que demandam de tempo para otimizar o laser e os sinais dos íons, previne que o equipamento seja utilizado de forma mais eficiente sem um técnico para isso dedicado. Dessa forma, gostaria de requisitar uma bolsa de capacitação técnica TT3 para auxiliar na operação, modificações e manutenção do equipamento. Essa bolsa, além de auxiliar na realização da pesquisa e permitir que exista um técnico necessário para operação do EMU, permitirá que o bolsista entre contato com sistemas e instrumentos altamente avançados em um grande nível de detalhes. Sendo assim, o bolsista receberá treinamento em uma área de fronteira cujo mercado de trabalho é carente. As próximas seções descrevem esses as atividades de pesquisa a serem realizadas e as habilidades a serem adquiridas pelo bolsista. (AU)