Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização do nicho endosteal da medula óssea nas neoplasias mieloproliferativas associadas à mutação da JAK2

Processo: 17/15484-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 09 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Pesquisador responsável:Lorena Lôbo de Figueiredo Pontes
Beneficiário:Talita Perez Sanches
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Neoplasias da medula óssea

Resumo

As Neoplasias Mieloproliferativas (NMP) se originam de alterações moleculares ao nível da célula-tronco hematopoética (CTH), mas alterações do nicho da medula óssea podem também contribuir para a regulação das funções das células-tronco neoplásicas e das CTH normais residuais e, assim, participar da fisiopatologia da doença. Dessa forma, considerando que essas doenças não estão apenas ligadas à presença de mutações oncogênicas, objetivamos estudar componentes celulares do microambiente da medula óssea que possam interagir com a função e transformação das CTHs. Acreditamos que as NMP se originem não apenas de defeitos intrínsecos da CTH, mas também da sua regulação por um nicho anormal, capaz de dar suporte proliferativo à mielopoese. Sendo assim, pretendemos caracterizar fenotípica e funcionalmente as células que dão suporte ao nicho hematopoético localizado no endósteo, constituído por células endoteliais, osteoblastos e células-tronco mesenquimais, utilizando um modelo murino transgênico knockin de expressão heterozigótica condicional da Jak2V617F. Esta investigação objetiva trazer novos conhecimentos sobre a função das células do nicho nas NMP associadas à mutação da JAK2 e pode contribuir para elucidar os mecanismos ligados a sua participação no desenvolvimento e manutenção da proliferação mieloide neoplásica às custas da hematopoese normal. Finalmente, o trabalho poderá possivelmente apontar novos alvos terapêuticos dirigidos aos sinais regulatórios entre CTH e o microambiente da medula óssea.