Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação e análise dos deslocamentos de regime biológico nas populações de pequenos peixes pelágicos da Plataforma Continental Sudeste do Brasil

Processo: 16/20590-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 31 de agosto de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Biológica
Pesquisador responsável:Douglas Francisco Marcolino Gherardi
Beneficiário:Jana Menegassi Del Favero
Instituição-sede: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (Brasil). São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Sensoriamento remoto   Sardinha

Resumo

Mudanças no regime de pequenos pelágicos, incluindo engraulídeos e clupeídeos, são estudadas em várias regiões do mundo, principalmente no Oceano Pacífico (Corrente de Kuroshio, da Califórnia e de Humbold) e no Atlântico sul oriental (Corrente de Benguela). As razões pelas quais o estoque de sardinha aumenta enquanto o de Engraulis diminui e vice-versa permanecem desconhecidas, mas alguns pesquisadores têm tentado relacionar essas flutuações às variáveis ambientais. Apesar da coocorrência de Engraulis anchoita e de Sardinella brasiliensis na Plataforma Sudeste do Brasil, não existem estudos comparando as flutuações na abundância e na distribuição das referidas espécies na área. Assim, o objetivo do presente projeto é investigar as flutuações na distribuição e abundância de ovos e larvas de E. anchoita e S. brasiliensis durante diferentes regimes e relacioná-las com as condições ambientais e as mudanças nos regimes climáticos. Duas escalas temporais serão consideradas para um diagnóstico detalhado dessas flutuações: 1) uma de longo-prazo: de 1974 a 2010 comparando diferentes épocas de desova; e 2) uma de médio-prazo: comparando diferentes meses de uma mesma época de desova. Para isso, serão analisados dados de 18 cruzeiros oceanográficos realizados entre o fim da primavera e o começo do verão de 1974 a 2010, na Plataforma Sudeste do Brasil. Amostras do ictioplâncton foram obtidas através de arrastos oblíquos realizados com rede bongô com fluxômetro acoplado. Temperatura e salinidade foram medidas in situ com garrafas de Nansen e termômetros de reversão até 1988 e, após esse ano, com um CTD. Informações adicionais, como temperatura da superfície do mar, concentração superficial de clorofila, condições de El Niño e La Niña, Oscilação Decadal do Pacífico e outros índices climáticos serão obtidos em páginas especializadas, relatórios e publicações.