Busca avançada
Ano de início
Entree

Desenvolvimento de metodologias de síntese de heteroestruturas contendo Nb2O5 e avaliação de seu potencial no tratamento de efluentes orgânicos

Processo: 17/17553-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2018
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Físico-química
Pesquisador responsável:Vagner Romito de Mendonça
Beneficiário:Thaís Aparecida Rodrigues
Instituição-sede: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP). Campus Itapetininga. Itapetininga , SP, Brasil
Assunto(s):Óxido de nióbio   Heteroestruturas   Processos oxidativos avançados   Fotocatálise heterogênea   Tratamento de águas residuárias

Resumo

Apesar de o Brasil ser o maior produtor de minerais contendo Nióbio no mundo, programas governamentais sobre sua adequada exploração e comercialização são escassos, fator este que é consequência do pouco conhecimento sobre as mais variadas aplicações destes materiais. Um destes, o Óxido de Nióbio (Nb2O5), se destaca por conta de suas promissoras características estruturais, eletrônicas e superficiais. Considerando o exposto, fica clara a necessidade de pesquisas básicas envolvendo o preparo e aplicações destes materiais em concordâncias com interesses nacionais. Desta forma, este projeto visa o estudo de metodologias de síntese de heteroestruturas contendo o Nb2O5 e aplicações deste em sistemas de interesse ambiental. Busca-se, principalmente, o desenvolvimento de metodologias de síntese reprodutíveis e limpas do Nb2O5 em escala nanométrica e a formação de heteroestruturas com outros materiais, tais como o TiO2, SnO2 e o ZnO. O complexo amoniacal de oxalato de nióbio ((NH4)[NbO(C2O4)2.n(H2O)], cedido pela empresa Brasileira CBMM – Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração, será utilizado como fonte do Nb para as nanoestruturas. Serão aplicadas metodologias de síntese baseadas em reações hidrotérmicas em processos conjuntos ou não de cristalização dos componentes das heteroestruturas. Posteriormente, estes serão caracterizados e estudados quanto a aplicabilidade no tratamento de efluentes contendo contaminantes orgânicos, tais como corantes, pesticidas ou medicamentos, via fotocatálise heterogênea, de modo a se agregar valor aos compostos deste elemento abundante em nosso território. (AU)