Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da reatividade do músculo liso cavernoso em ratos submetidos à alteração aguda do fluxo sanguíneo através do modelo de fístula aortocaval

Processo: 17/20695-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 31 de julho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Pesquisador responsável:Mário Angelo Claudino
Beneficiário:Douglas Rafael Andrade
Instituição-sede: Universidade São Francisco (USF). Campus Bragança Paulista. Bragança Paulista , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/21095-4 - Estudo morfofuncional e molecular da função erétil e do baixo trato urinário em ratos com insuficiência cardíaca crônica: avaliação da via de sinalização NO-GCs-GMPc, AP.JP
Assunto(s):Disfunção erétil   Doenças cardiovasculares   Isquemia miocárdica   Músculo liso   Óxido nítrico

Resumo

A disfunção erétil (DE) é caracterizada como a incapacidade de se obter ou manter uma ereção peniana adequada à atividade sexual satisfatória. Trabalhos têm demonstrado uma forte associação entre doenças cardíacas isquêmicas e DE. Estudos epidemiológicos apontam que 70% dos pacientes com doença arterial coronariana apresentam sintomas de DE. Tanto a DE quanto as doenças cardíacas isquêmicas compartilham fatores de risco em comum, tais como hipertensão, dislipidemia, diabetes mellitus e tabagismo, os quais estão associados à disfunção do sistema nervoso autônomo, bem como alterações em importantes vias de sinalização que controlam o tônus da musculatura lisa, equilíbrio celular redox e biodisponibilidade de óxido nítrico (NO). A função erétil depende da integridade de estruturas nervosas e do endotélio, uma vez que estes são importantes devido a liberação de NO destas fontes e consequente aumento de GMPc intracelular. Assim sendo, alterações na via de sinalização NO-GMPc tem como resultado o comprometimento da função erétil. Sabe-se que as doenças cardiovasculares (DCV) estão associadas a modificações agudas do fluxo sanguíneo, porém, o comprometimento da função erétil nestas situações é pouco elucidado. Portanto, o entendimento dos distúrbios que venham a comprometer esta função pode auxiliar na compreensão de diversos processos fisiopatológicos, bem como estabelecer possíveis alvos farmacológicos e novas propostas terapêuticas para a abordagem da disfunção erétil associada à doenças cardiovasculares. (AU)