Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise dos efeitos da exposição ao ambiente enriquecido sobre as alterações do metabolismo desencadeadas pelo estresse neonatal em ratos Wistar

Processo: 17/18421-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Gláucia Monteiro de Castro
Beneficiário:Lucas Emanuel Oliveira Carvalho
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Neurociências   Neonatologia   Metabolismo   Sistema hipotálamo-hipofisário   Enriquecimento ambiental   Plasticidade neuronal

Resumo

Atualmente numerosos estudos fornecem evidencias de que desordens psiquiátricas, metabólicas, cardíaca e imunológica, tem sua gênese determinada pelo estresse neonatal. O estresse neonatal mediado pela ativação do eixo Hipotalâmico-Ptuitária-Adrenal (HPA) promove alterações nas estruturas do sistema límbico, especialmente no hipocampo, amígdala e córtex pré-frontal. Em face às evidências de que durante os períodos perinatais a criança é um campo aberto aos diversos tipos de estímulos ambientais, hipotetizamos que os efeitos deletérios provenientes da negligência neonatal, podem ser revertidos ou atenuados com a estimulação em ambiente enriquecido (AE). O AE é especialmente planejado para estimular, as atividades sensoriais, motoras, cognitivas e de interação social entre os animais, gerando uma melhora na aprendizagem espacial, na memória e no comportamento social. Estudos apontam para alterações desencadeadas pela plasticidade neural associada ao AE que incluem aumento da ramificação dendrítica, do número de sinapses por neurônio e número de células gliais. O presente projeto tem como objetivo estabelecer a relação entre a negligência pós-natal e as consequências do estresse infantil com os efeitos da exposição ao ambiente enriquecido e da alta estimulação no desenvolvimento do filhote, correlacionando alterações metabólicas, morfológicas e de marcadores do estresse. (AU)