Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação das funções da HJURP na aquisição de capacidade de auto-renovação e proliferação das linhagens de glioblastoma

Processo: 17/15208-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Pesquisador responsável:Valeria Valente
Beneficiário:Rodrigo de Almeida
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08135-2 - CTC - Centro de Terapia Celular, AP.CEPID
Assunto(s):Biologia celular   Glioblastoma

Resumo

Os glioblastomas (GBMs) são os tumores mais frequentes e agressivos do sistema nervoso central. Isto ocorre porque na maioria dos casos há um alto índice de recidivas que, em pouco tempo, permitem a formação de nova massa tumoral. Isto se deve à elevada resistência e à capacidade proliferativa das células tumorais, que vem sendo associada com a presença de grande quantidade de células-tronco tumorais (CTTs) nos GBMs. Essas células têm como característica o potencial de auto-renovação ilimitado, capacidade de divisão assimétrica, proliferação e diferenciação, e resistência aos tratamentos genotóxicos, o que conjuntamente é denominado potencial stemness. Dados anteriores de nosso grupo revelaram que a proteína HJURP (Holliday Junction-Recognizing Protein) tem expressão aumentada nos GBMs e que seus níveis elevados correlacionam-se com o pior prognóstico dos pacientes. Demonstramos também que a linhagem de GBM U87MG ganha capacidade proliferativa quando estavelmente transformada com uma construção que permite a superexpressão desta proteína. HJURP atua como uma chaperona de histona e é responsável pela incorporação da CENP-A (Centromeric Protein A) na cromatina centromérica. CENP-A é uma variante da histona H3 canônica que promove um afrouxamento da cromatina na região central dos centrômeros, restringindo a formação de heterocromatina neste local. Resultados recentes de nosso laboratório mostraram que a superexpressão de HJURP promove também a diminuição do número de foci de HP1 (Heterochromatin Protein 1). HP1 liga-se em regiões de cromatina compactada contribuindo para mantê-la neste estado, portanto é um marcador de repressão gênica. Desse modo, levantamos a hipótese de que a superexpressão da HJURP poderia promover um afrouxamento global da cromatina permitindo que genes silenciados voltem a ser expressos. Com isso, nesse trabalho pretendemos investigar se a superexpressão da HJURP estaria religando programas genéticos associados ao potencial stemmness das células de GBM. Para isso, pretendemos padronizar modelos de geração de oncoesferas a partir de linhagens de GBM e avaliar o potencial stemmness (proliferação, auto-renovação e diferenciação) das células comparando linhagens parentais e superexpressoras de HJURP. Pretendemos ainda realizar ensaios de imunoprecipitação de cromatina, seguidos de sequenciamento (ChiP-Seq), para identificação dos genes com maior ocupância de HJURP nas células superexpressoras. Finalmente, serão escolhidos genes alvos para silenciamento com shRNAs e avaliação do efeito causado na manutenção do potencial stemness.