Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação dos efeitos insulinotrópicos, insulinomiméticos e endoteliais da taurina em células/tecidos submetidos à restrição in vitro de aminoácidos: uma abordagem integrada e multifocal

Processo: 18/00447-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Everardo Magalhães Carneiro
Beneficiário:Israelle Netto Freitas
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:14/01717-9 - Investigação dos efeitos insulinotrópicos, insulinomiméticos e endoteliais da taurina em células/tecidos submetidos à restrição in vitro de aminoácidos: uma abordagem integrada e multifocal, AP.TEM
Assunto(s):Fisiologia endócrina   Desnutrição proteica   Resistência à insulina   Taurina

Resumo

A deficiência nutricional durante o desenvolvimento e maturação favorece o aparecimento de desordens metabólicas e cardiovasculares como a hipertensão arterial e resistência a insulina. Nesse contexto, aminoácidos com ação insulinotrópica podem constituir coadjuvantes terapêuticos. Atualmente nosso grupo investiga os efeitos da depleção in vitro de aminoácidos sobre a secreção e ação da insulina. Até o momento observamos que a depleção global de aminoácidos reduz a secreção de insulina de maneira semelhante ao observado no modelo animal de desnutrição proteica. No entanto, o papel individual de diferentes aminoácidos sobre o controle da secreção e ação da insulina ainda não foi estabelecido nesse modelo. A taurina é um aminoácido sintetizado a partir do metabolismo da cisteína que está envolvido em processos como manutenção do volume celular e regulação do fluxo de íons de Ca2+. Dentre os aminoácidos com potencial insulinotrópico e insulinomimético, a taurina destaca-se como um proeminente regulador da homeostase metabólica e cardiovascular. Embora as evidências ressaltem a relevância desse aminoácido, ainda restam questionamentos acerca dos mecanismos pelos quais sua ação ocorre. Portanto, essa proposta pretende estender o conhecimento acerca dos mecanismos subjacentes aos efeitos insulinotrópicos, insulinomiméticos e endoteliais da taurina. Para tanto lançaremos mão de modelos celulares e animais de restrição proteica para o estudo da secreção e ação da insulina, glucagon e somatostatina com foco nas oscilações dinâmicas de Ca2+, ATP, NAD(P)H e potencial de membrana em ilhotas pancreáticas, hepatócitos, miotúbulos e células endoteliais submetidas a um protocolo in vitro de restrição nutricional. (AU)