Busca avançada
Ano de início
Entree

Inovações para tratamento tópico de Leishmaniose tegumentar

Processo: 18/02775-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas - PIPE  
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2018
Vigência (Término): 31 de outubro de 2018
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Pesquisador responsável:Fernanda Mansano Carbinatto
Beneficiário:Fernanda Mansano Carbinatto
Empresa:Biosmart Nanotechnology Ltda. - ME
CNAE: Fabricação de produtos farmoquímicos
Vinculado ao auxílio:17/08390-3 - Inovações para tratamento tópico de leishmaniose tegumentar, AP.PIPE
Assunto(s):Complexos de inclusão   Nanoemulsão   Composição de medicamentos   Terapêutica   Leishmaniose cutânea   Curcumina   Celulose bacteriana

Resumo

A Leishmaniose tegumentar é uma doença infecciosa, com baixa letalidade, não contagiosa, causada por protozoário do gênero Leishmania, sendo no Brasil, geralmente causada por Le. (Leishmania) amazonensis, com diversos e crescentes casos distribuídos por todo território nacional. Desde 1915 até os dias atuais a principal forma de tratamento envolve a administração de antimonial pentavalente ou anfotericina B. Ambos tratamentos apresentam diversos efeitos colaterais que reduzem a qualidade de vida dos pacientes. Visto que escassas são as terapias para Leishmaniose e todas apresentam inúmeros efeitos colaterais, prejudicando e reduzindo a qualidadede vida dos pacientes torna-se necessário o desenvolvimento de novas alterativas para o tratamento dessa enfermidade. A presente proposta visa o desenvolvimento de um biocurativo para terapia tópica da Leishmaniose tegumentar cutânea utilizando matriz de celulose bacteriana com a incorporação de um composto natural que apresenta atividade leishmanicida, a curcumina. O desenvolvimento de biocurativos de celulose bacteriana com a incorpração de formulações de curcumina apresenta caráter inovador e uma promissora alternativa com viabilidade econômica para tratamentos tópicos de Leishmaniose cutânea em relação aos demais tratamentos existentes no mercado. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.