Busca avançada
Ano de início
Entree

Como a corrente de contorno profunda flui ao longo da margem continental sudeste-sul brasileira?

Processo: 17/22464-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Física
Pesquisador responsável:Ilson Carlos Almeida da SIlveira
Beneficiário:Pedro Walfir Martins e Souza Neto
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/03114-3 - Como a Corrente de Contorno Profunda flui ao longo da Margem Continental Leste-Sudeste-Sul Brasileira??, BE.EP.IC
Assunto(s):Climatologia   Correntes de contorno   Mamíferos marinhos   Cetacea

Resumo

O clima no planeta Terra é regulado pela MOC (Meridional Overturning Circulation ou, em português, Circulação de Revolvimento Meridional), sendo a Corrente de Contorno Profunda (CCP) responsável por transportar a Água Profunda do Atlântico Norte (APAN) inter-hemisfericamente. A CCP flui adjacente à margem continental americana e tem sido consideravelmente estudada entre o sul do Mar do Labrador (48°N) e cerca de 20°S, já ao largo da costa leste brasileira. No entanto, ao atingir, em 20,5°S, depara-se com a Cadeia Vitória-Trindade (CVT), sua trajetória ainda é dada como incerta e questionável. Porém, sabe-se que em 34,5°S já existe um escoamento adjacente organizado adjacente ao talude continental sul brasileiro. Esta proposta visa a descrição e caracterização da trajetória e intensidade da CCP ao sul da CVT, e, portanto, ao sul de 20,5°S, até 34,5°S. O desenvolvimento deste trabalho ocorrerá através da utilização do Método Dinâmico Clássico nos dados hidrográficos das Comissões da Marinha do Brasil Oceano Sudeste I e II; Oceano Sul III e IV. Também serão analisados dados dos cruzeiros oceanográficos realizados pelo IOUSP em parceria com a PETROBRAS: Abrolhos I e II, e Ceres V. A partir da análise serão desenvolvidos mapas de função de corrente e perfis verticais, para desvendar o padrão sinótico de circulação da CCP ao reanexar-se à margem continental brasileira. (AU)