Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da o-glicosilação na perda óssea em lesão periapical experimental

Processo: 17/23264-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Sandra Yasuyo Fukada Alves
Beneficiário:Thaise Mayumi Taira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/15582-1 - Papel da O-GlcNAcilação na fusão e função dos osteoclastos., BE.EP.DR
Assunto(s):Lesões periapicais   Osteoclastos   Perda do osso alveolar   Citocinas   Peroxidase

Resumo

A lesão periapical é uma doença inflamatória/infecciosa que se inicia com a invasão microbiana nos tecidos pulpares e que se difundem até o ápice dental, resultando na destruição dos tecidos apicais. Nesse processo imunoinflamatório há a participação de diferentes tipos celulares, dentre eles os osteoclastos, que participam ativamente no processo de reabsorção óssea. Para exercer tal função, os osteoclastos requerem um alto gasto de energia, visto que a de privação de glicose inibe a capacidade de reabsorção, enquanto que níveis elevados de glicose, aumentam a sua diferenciação. A hiperglicemia altera a via das hexosaminas e, consequentemente, a O-GlcNacilação, que consiste na incorporação de O-linked-²-N-acetylglucosamine (O-GlcNac), em resíduos de serina e treonina de proteínas nucleares e citoplasmáticas pela ação da enzima OGT. A O-GlcNacilação regula funções das proteínas alvos, de maneira análoga ao processo de fosforilação. Com base em evidências de nosso grupo de pesquisa, a O-GlcNAcilação de proteínas é fundamental para a osteoclastogênese induzida por RANKL in vitro e este tipo celular é crucial para o desenvolvimento da lesão periapical, portanto, o objetivo do presente trabalho será avaliar o papel biológico da O-GlcNacilação no desenvolvimento da resposta inflamatória e da perda óssea em modelo de lesão periapical. Para isso, serão utilizados animais Ctsk Cre OGT flox/flox e controle (Ctsk Cre OGT0/0) e avaliadas a extensão da lesão por histologia e microCT; expressão de marcadores de osteoclastos por PCR em tempo real; a atividade das metaloproteinases por Zimografia. Serão avaliadas as características da lesão como por exemplo, as citocinas inflamatórias por ELISA; o infiltrado de neutrófilos por ensaio de mieloperoxidase. (AU)