Busca avançada
Ano de início
Entree

Prospecção de oligonucleotídeos iniciadores para DNA mitocondrial e amplificação em amostras fecais de veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus)

Processo: 17/26529-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:José Maurício Barbanti Duarte
Beneficiário:Shamira de Fátima Sallum Leandro
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Cervidae   Ozotoceros bezoarticus   Análise de sequência de DNA   DNA mitocondrial   Oligonucleotídeos

Resumo

O veado-campeiro (Ozotoceros bezoarticus), espécie de cervídeo neotropical ameaçado de extinção, é encontrado no Brasil e dividido em duas subespécies (O. b. bezoarticus e O. b. leucogaster), com ampla distribuição geográfica. No entanto, pouco se sabe sobre a estrutura genética e evolutiva das diferentes populações existentes, impedindo a definição de estratégias de conservação e manejo para as populações de vida livre. Frente a isso, propomos explorar o DNA mitocondrial dessas espécies com o uso de amostras fecais. Assim, oligonucleotídeos iniciadores (primers) serão elaborados a partir das sequências existentes do DNA mitocondrial (região controle, Citocromo-b e ND5) no banco de dados (NCBI) e testados para amplificação em 20 amostras de fezes de duas populações de veado-campeiro: Pantanal (MT) e Parque Nacional das Emas (GO). Os oligos serão escolhidos de acordo com alguns critérios, como sítios com o mínimo possível de inserções ou deleções, tamanhos pequenos (17 a 22pb), geradores de amplicons entre 150 e 200pb, composição de 45 a 55% de AT GC e sítios informativos entre códons, dentro dos fragmentos. As amostras já estão disponíveis no banco de amostras do Núcleo de Pesquisa e Conservação de Cervídeos (Nupecce). Os oligos serão ainda desenvolvidos diretamente em sequências do genoma de O. bezoarticus, aumentando a especificidade das amplificações de DNA. Com estes resultados, a área de amostragem, por abordagens não invasivas, aliadas a investigações moleculares, poderão ser ampliadas e ações imediatas e pontuais para conservação podem ser facilitadas. (AU)