Busca avançada
Ano de início
Entree

Intervenções dietéticas e atividade anti-inflamatória da HDL: potencial modulatório sobre a polarização de macrófagos

Processo: 17/22198-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2019
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Pesquisador responsável:Inar Castro Erger
Beneficiário:Bianca Scolaro
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):18/14858-0 - Imunomodulação de macrófagos em placas ateroscleróticas por nanobiológicos de HDL, BE.EP.PD
Assunto(s):Nutrição experimental   LDL-Colesterol   HDL-Colesterol   Ácidos graxos ômega-3   Aterosclerose   Inflamação

Resumo

O controle do LDL colesterol (LDL-C) é a principal abordagem clínica para a prevenção de eventos cardiovasculares, o que normalmente é alcançado através do uso de estatinas. Porém, mesmo pacientes tratados com estatinas possuem um considerável risco cardiovascular residual, o que evidencia a necessidade de se investir em fatores de risco além do LDL-C, como inflamação e estresse oxidativo. Grande atenção também tem sido voltada para a funcionalidade das partículas de HDL, como uma medida e abordagem cardioprotetora. Dados obtidos por nossos colaboradores internacionais têm demonstrado que partículas de HDL podem induzir uma alteração no fenótipo de macrófagos de um estado pró-inflamatorio (M1) para um estado anti-inflamatório (M2), in vivo e in vitro, e que a polarização para o fenótipo M2 é uma etapa necessária para a resolução da inflamação e regressão de placa aterosclerótica. Contuto, esse potencial têm sido atribuído apenas à particulas "funcionais". Embora a disfuncionalidade da HDL tenha sido associada principalmente à modificações oxidativas, o perfil de ácidos graxos das partículas pode exercer um papel importante na sua atividade anti-inflamatória. Uma vez ácidos graxos ômega 3 (n-3 FA) demostraram potencial modulátório sobre perfil inflamatório de macrófagos, o enriquecimento de partículas de HDL com n-3 FA pode levar à um incremento da atividade anti-inflamatória da HDL, o que é especialmente importante no contexto de pacientes sob risco cardiovascular. Em estudo prévio, nosso grupo demostrou que o consumo combinado de n-3 FA, fitoesteróis e polifenóis reduz inflamação, lipemia e estresse oxidativo em pacientes tratados com estatinas (alterações importantes para o aumento da proteção cardiovascular). Deste modo, a presente proposta refere-se à investigação da atividade anti-inflamatória das partículas de HDL isoladas de plasma humano após o consumo do tratamente bioativo combinado, aliádo a demais experimentos in vitro e in vivo. O entendimento dos mecanismos que levam ao incremento da atividade anti-inflamatória da HDL através da ação de compostos naturais promoverá maior conhecimento sobre o potencial da co-terapia com compostos dietéticos para redução de eventos cardiovasculares e pode também fornecer insight para aplicações farmacológicas e nanotecnológicas. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SCOLARO, BIANCA; DE ANDRADE, LETICIA F. S.; CASTRO, INAR A. Cardiovascular Disease Prevention: The Earlier the Better? A Review of Plant Sterol Metabolism and Implications of Childhood Supplementation. INTERNATIONAL JOURNAL OF MOLECULAR SCIENCES, v. 21, n. 1 JAN 1 2020. Citações Web of Science: 0.
NOGUEIRA, MARINA S.; SCOLARO, BIANCA; MILNE, GINGER L.; CASTRO, INAR A. Oxidation products from omega-3 and omega-6 fatty acids during a simulated shelf life of edible oils. LWT-FOOD SCIENCE AND TECHNOLOGY, v. 101, p. 113-122, MAR 2019. Citações Web of Science: 4.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.