Busca avançada
Ano de início
Entree

Hidrólise da biomassa de aguapé (water hyacinth) para a obtenção de etanol

Processo: 17/24169-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2017
Vigência (Término): 31 de março de 2018
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Energia de Biomassa Florestal
Pesquisador responsável:Alcides Lopes Leao
Beneficiário:Luiz Guilherme Barbin Scapolio
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:15/21395-9 - Hidrólise da biomassa de aguapé (water hyacinth) para a obtenção de etanol, AP.BIOEN.R
Assunto(s):Hidrólise   Fibras naturais   Materiais compósitos   Biomassa   Bioetanol   Aguapé   Eichhornia

Resumo

Biomassa é definida como toda matéria orgânica de origem vegetal ou animal, podendo ser utilizada na produção de energia. Os biocombustíveis são uma importante fonte de energia renovável, tendo destaque o etanol. Para a produção deste biocombustível são necessárias matérias-primas que contenham açúcares fermentescíveis. A produção do etanol de segunda geração tem sido intensivamente pesquisada utilizando-se fontes de biomassa lignocelulósicas como o bagaço da cana de açúcar, palha do milho, bagaço do sorgo sacarídeo. O aguapé, Eichhornia crassipes, uma biomassa de características fitodepuradoras, é considerado uma praga aquática por causa de sua proliferação incontrolada e redução da capacidade oxigenativa dos corpos d'água e fácil adaptação ao meio e alto crescimento vegetativo. Embora tenha um pequeno teor de massa seca, é uma alternativa importante para o setor energético, onde essas mesmas características se tornam vantajosas, pois esta biomassa pode ser utilizada como matéria prima para a produção de etanol de segunda geração e com um preço de cultivo reduzido. Para a realização desse projeto o aguapé será coletado em corpos d'água, de forma manual. Para aumentar a área de contato essa biomassa passará por uma trituração, e em seguida será realizada a hidrólise ácida e/ou enzimática. Após esse processo o material convertido em glicose será fermentado, por meio de levedura comercial, para a produção do álcool. A última etapa do processo de produção do biocombustível será a destilação do mosto fermentado. Durante e após os bioprocessos, serão realizadas análises químicas e bioquímicas, como rendimento, velocidade de fermentação, teor de metais pesados, teor alcoólico e caracterização da matéria-prima e do produto final por meio de análises de raio-X, MEV, TEM, entre outros. (AU)