Busca avançada
Ano de início
Entree

Espécies-chave estuarinas em um mundo em mudança: como as fases iniciais de vida dos caranguejos violinistas responderão ao aquecimento e acidificação oceânica costeira?

Processo: 18/00577-0
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Vigência (Início): 01 de maio de 2018
Vigência (Término): 30 de junho de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia
Pesquisador responsável:Tânia Marcia Costa
Beneficiário:Juan Carlos Farias Pardo
Supervisor no Exterior: Stefano Cannicci
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB-CLP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental do Litoral Paulista. São Vicente , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Hong Kong (HKU), China  
Vinculado à bolsa:17/00802-0 - Espécies-chave estuarinas em um mundo em mudança: como as fases iniciais de vida dos caranguejos violinistas responderão ao aquecimento e acidificação oceânica costeira?, BP.MS
Assunto(s):Aquecimento global   Mudança climática   Estuários   Reprodução animal   Caranguejo

Resumo

O entendimento de como o aquecimento global vai afetar a estrutura dos ecossistemas é um tópico chave em estudos de mudanças climáticas. Habitats estuarinos e costeiros impõem condições estressantes para as espécies nativas e organismos ectotérmicos são particularmente sensíveis a um clima em aquecimento. Diversos estudos demonstram os limites termais de diferentes espécies e estágios de desenvolvimento; contudo, o limite de tolerância de fêmeas ovígeras ainda não foi explorado. O objetivo da presente proposta é avaliar os efeitos do aquecimento global em fêmeas ovígeras de caranguejos violinistas. Nós iremos (1) verificar a variação de temperatura no habitat durante o desenvolvimento embrionário e (2) o limite termal (taxa de batimento cardíaco e temperatura letal como variável resposta) de fêmeas ovígeras e não ovígeras de diferentes espécies de caranguejos violinistas que vivem em habitats similares. Experimentos de campo e laboratoriais a serem conduzidos no Brasil e Hong Kong trarão uma ampla perspectiva dos efeitos fisiológicos do aumento da temperatura em um status reprodutivo não explorado de espécies-chave estuarinas. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.