Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel da proteína arginina metil transferase 7 na infectividade e diferenciação de Leishmania major

Processo: 18/02761-2
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2018
Vigência (Término): 30 de novembro de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Angela Kaysel Cruz
Beneficiário:Juliana Alcoforado Diniz
Supervisor no Exterior: David Sacks
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Local de pesquisa : National Institutes of Health, Bethesda (NIH), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:16/14657-0 - O impacto da metilação mediada por PRMT7 no processo de diferenciação de promastigotas em amastigotas e virulência do parasito Leishmania major, BP.PD
Assunto(s):Leishmania   Virulência

Resumo

Proteína aRginina Metil Tranferases (PRMTs) são importantes reguladores de expressão gênica em Leishmania spp. Essas enzimas tem como alvo relevantes elementos regulatórios em nível posttranscripcional, tais como proteínas ligantes de RNA. Trabalhos anteriores no laboratório tem mostrado que PRMT7 em Leishmania major tem um importante papel na virulência in vivo. Adicionalmente, o fato dessa enzima ser especificamente expressa no estagio promastigoto e a sua implicação na patogenicidade sugerem que essa tenha papel na diferenciação do parasita. Resultados preliminares tem mostrado que o tamanho da lesão formada no modelo animal BALB/c pode apresentar diferentes perfis quando usamos uma população mista de promastigotos ou metaciclicos purificados para a infecção in vivo. Interessantemente, apesar dessas distinções, a carga parasitária foi comparável em todas as infecções. Estudos de expressão quantitativa também demonstraram que altos níveis de PRMT7 estão diretamente correlacionados com a expressão de SHERP, conhecido por contribuir para metaciclogenese no mosquito. Nossa hipótese é de que ou uma falha no desenvolvimento de procíclico em metacíclico pode estar modificando a eficiência da infecção em mamíferos ou que após entrar no hospedeiro mamífero a resposta inflamatória envolve elementos regulatórios dependentes de PRMT7. Para responder essas questões é necessário avaliar o desenvolvimento do parasita no inseto vetor e o perfil de infecção in vivo em modelo murino. Para analisar esses aspectos de desenvolvimento do parasita e as interações com o hospedeiro, nós acreditamos que o laboratório do Dr David Sacks, no NIH/USA, poderá fornecer a experiência necessária para o estudos de ambos aspectos. A colaboração com David Sacks irá permitir uma abordagem mais rápida e mais robusta para alcançarmos nosso objetivo central de entender a contribuição de PRMT7 na diferenciação, infecção e patologia de Leishmania major.