Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação dos efeitos do exercício aeróbio sobre a cognição de camundongos com deleção da PTEN

Processo: 17/20938-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Elisa Mitiko Kawamoto Iwashe
Beneficiário:Amanda Midori Matumoto
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):PTEN fosfo-hidrolase   Treinamento aeróbio

Resumo

O presente projeto se propõe a estudar alterações na via de sinalização da PTEN (phosphatase and tensin homolog deleted on chromosome 10), associada a algumas patologias do sistema nervoso central (SNC), como o Transtorno do Espectro Autista (TEA), dentre outras. O TEA vem ganhando maior destaque conforme estudos são realizados sobre ele, exigindo maior coleta de dados na tentativa de aprimorar tratamentos e terapias, tanto farmacológicas, quanto comportamentais, incluindo o uso de atividade física aeróbia.Inicialmente, a PTEN foi estudada principalmente pela sua ação supressora de tumor, porém, outros processos celulares têm sido relacionados a ela, tais como a proliferação, sobrevivência, crescimento e migração celular, incluindo potencial função modulatória na plasticidade sináptica no hipocampo, dentre outras estruturas. Intervenções ambientais, como o exercício aeróbio, já foram demonstradas como moduladores da plasticidade sináptica, resultando em efeitos cognitivos positivos para a memória e aprendizado.Dessa maneira, com o uso de camundongos nocautes condicionados da PTEN tecido- e tempo-específicos, pode-se avaliar, do ponto de vista bioquímico, histológico e comportamental, os efeitos do exercício aeróbio sobre a cognição de camundongos com deleção da PTEN apenas em neurônios. Assim, os resultados deste trabalho podem contribuir para um melhor entendimento sobre o potencial uso do exercício como estratégia de intervenção e/ou tratamento do TEA e de outros transtornos do SNC. (AU)