Busca avançada
Ano de início
Entree

Relação do consumo de cálcio e Vitamina D com parâmetros inflamatórios da placenta e estado clínico do recém-nascido de mulheres com pré-eclâmpsia

Processo: 17/12244-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2020
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Luciana Pellegrini Pisani
Beneficiário:Esther Alves de Souza
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos , SP, Brasil
Assunto(s):Vitamina D   Pré-eclâmpsia   Cálcio   Inflamação

Resumo

A gestação promove mudanças físicas, sociais e emocionais saudáveis. Porém uma minoria desenvolve alguma doença ou agravo, essa minoria possui chances aumentadas de uma má evolução, como desordens hipertensivas e maior susceptibilidade à deficiências de vitaminas e minerais, com prejuízos à mãe e a prole. Na pré-eclâmpsia, o grau de inflamação e mudanças metabólicas, normais da gestação, estão exacerbadas. Há ativação do TLR4, promovendo aumento de citocinas pró-inflamatórias na circulação, que culmina em disfunção endotelial. Este estudo tem como objetivo correlacionar a ingestão do cálcio e vitamina D materno na pré-eclampsia, com seus níveis séricos, assim como com os parâmetros inflamatórios materno e clínicos da prole ao nascimento. O estudo será realizado no Hospital Guilherme Álvaro. Serão selecionadas 140 puérperas, de feto único, com classificação de gravidez de alto risco (pré-eclâmpsia) (n=70) e baixo risco (hígidas) (n=70), para grupo controle. Será realizado inquérito alimentar (QFA) adaptado para conhecer consumo habitual de cálcio e vitamina D. Na anamnese serão coletados dados da gestante, bem como dados clínicos e antropométricos do recém-nascido. Será realizada análise dos níveis séricos de cálcio, vitamina D, PTH e PCR e de proteínas da cascata inflamatória na placenta. Espera-se encontrar correlação entre a ingestão dos nutrientes com os níveis séricos e que a baixa ingestão tenha influência negativa nos parâmetros maternos e da prole logo após o nascimento. (AU)