Busca avançada
Ano de início
Entree

Icnofósseis das formações Tamengo e Guaicurus (Ediacarano-Cambriano), Grupo Corumbá: implicações paleoambientais e paleoecológicas

Processo: 17/25433-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 12 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Juliana de Moraes Leme Basso
Beneficiário:Cleber Quidute Clemente Diniz
Instituição-sede: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:16/06114-6 - O Sistema Terra e a evolução da vida durante o Neoproterozoico, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):18/21995-4 - Análises de icnofósseis do Pré-Cambriano do Grupo Corumbá em um contexto global, universidade de Saskatchewan, Saskatoo - Canadá, BE.EP.DR
Assunto(s):Icnofósseis   Paleontologia   Pré-cambriano

Resumo

A Explosão Cambriana representa um dos eventos mais críticos da história da Terra. Esse aumento na diversidade e complexidade de fósseis e de icnofósseis é marcado pela ampliação na exploração do sedimento, o que causou uma mudança drástica no ambiente e permitiu a formação de novos habitats. No Neoproterozoico, os icnofósseis são mais simples espelhando seus produtores, mas são de suma importância, pois descrever as características dessas atividades em um momento em que os organismos estariam se diferenciando e especializando, auxilia no entendimento evolucionário dos mesmos. Utilizado de forma integrada à análise sedimentológica e estratigráfica, o estudo de icnofósseis é aplicado como ferramenta adicional à análise paleoambiental e estratigráfica de depósitos sedimentares. No Brasil, o registro de icnofósseis do limite Pré-Cambriano-Cambriano é escasso, tanto pela falta de unidades geológicas, como pela dificuldade de preservação. No Grupo Bambuí, Formação Sete Lagoas, são encontrados icnofósseis atribuídos a Palaeophycus e Archaeonassa. Foram descritos icnofósseis de idade Cambriana na parte Norte da Faixa Paraguaia no Grupo Alto Paraguai de Skolithos linearis. Diplocraterion parallelum, Arenicolites sp. Na faixa Paraguai Sul, em Mato Grosso do Sul, está localizado o Grupo Corumbá, na qual a Formação Guaicurus corresponde ao seu topo e possui contato inferior gradacional com a Formação Tamengo de idade 542 M.a. Na Formação Guaicurus são encontradas macroalgas Eoholynia corumbensis e icnofósseis com formato de tubos sinuosos, formando túneis sub-horizontais e uma rede irregular com múltiplas camadas, além de icnofósseis de aparência bilobada. Este projeto será fundamentado em torno de questões paleontológicas relacionados a descrição morfológica e identificação taxonômica dos icnofósseis a partir de equipamentos como: estereomicroscópio, microscópio eletrônico de varredura, microtomografia, análise química por EDS e espectroscopia Raman. Questões paleoecológicas, paleoambientais e bioestratigráficas referente ao impacto em que organismos bioturbadores causariam ao ambiente, como taxa de oxigenação e revolvimento do substrato através da análise de elementos traços que reagem de acordo com as condições paleoambiental. Esses elementos são úteis como proxies paleoredox pois sua presença/ausência e oxidação estão diretamente ligados a condição redox do ambiente deposicional.