Busca avançada
Ano de início
Entree

"Quanto sexo é o suficiente?": coprodução de conhecimento, discursos médico-científicos e controvérsias acerca do Impulso Sexual Excessivo

Processo: 17/14985-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2021
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Antropologia - Antropologia Urbana
Pesquisador responsável:Marko Synésio Alves Monteiro
Beneficiário:Sarah Rossetti Machado
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Sexualidade   Ciência

Resumo

As indagações acerca da patologização/despatologização de sexualidades ditas desviantes informam as preocupações deste projeto, que toma como objeto empírico as controvérsias envolvidas na produção de conhecimento científico no Brasil acerca do diagnóstico do Impulso Sexual Excessivo. Nesse sentido, insere-se nos Estudos sobre Gênero e Sexualidade, na interface com a Antropologia da Ciência. Tem por objetivo geral analisar a emergência da categoria Impulso Sexual Excessivo e sua relação com os campos da biomedicina, da ciência e da sociedade. Focaliza a trajetória, as controvérsias e disputas de sentidos em relação à categoria no campo médico-científico nacional, inclusive a partir dos debates em âmbito internacional acerca da inclusão/exclusão do Hypersexual Disorder nos manuais diagnósticos como o DSM e o CID. Pretende-se analisar também a maneira pela qual convenções acerca de gênero e de sexualidade emergem dos discursos biomédicos e jurídicos sobre o tema, bem como as controvérsias em torno do Impulso Sexual Excessivo envolvendo o HIV/AIDS, práticas homossexuais e bissexuais e as noções de risco e vulnerabilidade. A metodologia proposta lança mão de técnicas qualitativas, integrando: 1) o mapeamento das redes e dos atores envolvidos nas controvérsias; 2) a realização de etnografia em espaços de produção e divulgação do conhecimento científico sobre o tema; 3) a análise documental da produção científica e jurídica, nacional e internacional acerca do diagnóstico; 4) observação online; 5) a realização de entrevistas em profundidade. (AU)