Busca avançada
Ano de início
Entree

Eficácia de protocolos de estratificação e parâmetros clínicos, físicos e bioquímicos em prever intercorrências em programas de reabilitação cardiovascular

Processo: 18/03208-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Pesquisador responsável:Luiz Carlos Marques Vanderlei
Beneficiário:Carolina Takahashi
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:17/20657-5 - Eficácia de protocolos de estratificação e parâmetros clínicos, físicos e bioquímico em prever intercorrências em programas de reabilitação cardiovascular, AP.R
Assunto(s):Reabilitação cardíaca   Sinais e sintomas   Medição de risco   Exercício físico

Resumo

Introdução: Apesar dos diversos efeitos benéficos, programas de reabilitação cardiovascular (PRCV) têm sido associado ao aparecimento de sinais e sintomas. Protocolos de estratificação de risco são utilizados para estratificar indivíduos em classes de risco para a ocorrência de eventos durante a prática de exercício físico, apesar disto, estudos que investigaram sua eficácia em prever sinais e sintomas durante a realização de PRCV são inconclusivos. Além disto, diversos parâmetros clínicos, físicos e bioquímicos têm sido utilizados na literatura como marcadores de risco para o aparecimento de eventos adversos e investigar se estes parâmetros são capazes predizer a possibilidade de intercorrências durante as sessões dos PRCV poderiam melhor nortear estratégias adotadas nestes programas. Objetivos: 1) avaliar a eficácia dos protocolos de estratificação de risco em prever sinais e sintomas durante a realização de um PRCV; 2) analisar a correlação entre parâmetro clínicos, físicos e bioquímicos mensurados em repouso com a presença de sinais/sintomas em participante de um PRCV; 3) avaliar se alterações em parâmetros clínicos, físicos ou bioquímicos induzidos pelo PRCV exerce influência no aparecimento de sinais e sintomas durante os PRCV. Materiais e Métodos: Para realização desse estudo serão avaliados dados de 70 pacientes inseridos em um PRCV. O estudo será dividido em três subprojetos que resumidamente pode ser dividido em três etapas: 1) estratificação de risco dos pacientes que participarão do estudo por dois avaliadores independentes (Estudo 1) e avaliação de parâmetros clínicos (parâmetros cardiorrespiratórios e avaliação da modulação autonômica), físicos (resistência isométrica máxima, contração isométrica voluntária máxima, capacidade funcional e nível de atividade física) e bioquímicos (IL-6, TNF-alpha e IL-10) (Estudos 2 e 3). Em seguida, os pacientes serão acompanhados por 24 sessões durante as rotinas do PRCV para avaliação de sinais e sintomas, para posterior correlação com a estratificação de risco obtida em cada protocolo (Estudo 1), e com valores de repouso dos parâmetros clínicos, físicos e bioquímicos acima mencionados (Estudos 2 e 3); 2) Os pacientes realização as rotinas normais do seu PRCV por um período de 6 meses (Estudo 3); 3) Os pacientes terão novamente avaliados seus parâmetros clínicos, físicos e bioquímicos e em seguida serão novamente acompanhados por mais 2 meses (24 sessões) durante as rotinas das sessões do PRCV para avaliação de sinais e sintomas, o que permitirá avaliar se ganhos/perdas nestes parâmetros exercem influências no aparecimento de sinais e sintomas durante as sessões do PRCV. (AU)