Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização da dentina afetada por cárie e seu papel na formação da interface adesiva

Processo: 17/22499-8
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Vigência (Início): 01 de agosto de 2018
Vigência (Término): 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Adriana Bona Matos
Beneficiário:Adriana Bona Matos
Anfitrião: Ana Karina Barbieri Bedran-Russo
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Illinois at Chicago (UIC), Estados Unidos  
Assunto(s):Dentística

Resumo

Este estudo in vitro visa caracterizar e comparar dentina afetada pela cárie natural e desenvolvida em laboratório, pelo método microbiológico, e determinar seu papel na formação da interface adesiva. Na primeira fase, em quarenta molares humanos conterão dentina afetada por cárie natural (n20) (selecionado por ICDAS) e dentina afetada por carie obtida artificialmente por um desafio de biofilme de S. mutans (n20). Esses substratos serão avaliados por diferentes métodos: maturidade do colágeno (detecção com sirius red associada a microscopia de luz polarizada), biodegradabilidade do colágeno (digestibilidade com colagenase e análise de aminoácidos), nanoidentação e biomecânica da matriz dentinária (análise mecânica dinâmica - DMA), onde será analisado de forma dinamica stress da CAD artificial, seu módulo de elasticidade e rigidez). A primeira fase visa caracterizar e comparar os dois tipos de dentina. Para a segunda fase, onde serão utilizados 24 molares humanos, nos substratos naturais ou artificialmente obtidos será aplicado um sistema adesivo para formar camada híbrida, que será avaliada por: resistência de união (ensaio de microtração), morfologia da camada híbrida formada (microscopia eletrônica de varredura), micro permeabilidade (microscopia confocal) e zimografia in situ e MEV. Os dados qualitativos obtidos serão descritos em detalhes, enquanto os resultados quantitativos serão avaliados estatisticamente, aceitando 95% de confiança.