Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação do efeito de células-tronco mesenquimais de ratos saudáveis sobre a diferenciação osteoblástica de células-tronco mesenquimais de ratos hipertensos

Processo: 17/27036-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2018
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Cirurgia Buco-maxilo-facial
Pesquisador responsável:Márcio Mateus Beloti
Beneficiário:Barbara Luana da Silva Bezerra
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Hipertensão   Reparo ósseo   Terapia baseada em transplante de células e tecidos   Osteoblastos   Células-tronco mesenquimais

Resumo

Além de constituir um fator de risco para doenças cardiovasculares, sendo um dos maiores problemas de saúde global, a hipertensão tem sido associada a efeitos negativos sobre o tecido ósseo, levando à diminuição da massa óssea e consequentemente maior susceptibilidade a fraturas. Diversos medicamentos têm sido propostos no intuito de minimizar esse efeito prejudicial e promover o melhor reparo ósseo em pacientes saudáveis e hipertensos, melhorando sua qualidade de vida. Entre os tratamentos, uma alternativa promissora é o uso da terapia celular, baseada no uso de células-tronco mesenquimais (CTMs) e/ou osteoblastos diferenciados a partir dessas CTMs, para tratar os danos ao tecido ósseo causados pela hipertensão. Portanto, o objetivo do presente projeto será avaliar a influência de CTMs derivadas de medula óssea de ratos normotensos/saudáveis sobre a diferenciação osteoblástica de CTMs derivadas de medula óssea de ratos hipertensos, crescidas em condições osteogênicas, utilizando um modelo de co-cultura indireta. Para isso, CTMs serão obtidas de medula óssea de ratos hipertensos (HA-CTMs) e normotensos/saudáveis (SAU-CTMs) e expandidas in vitro em meio de crescimento. Em seguida, será realizada a co-cultura indireta em meio osteogênico utilizando placas de 24 poços com insertos, de forma que os insertos contenham SAU-CTMs, enquanto que as HA-CTMs serão cultivadas no fundo dos poços. Os controles serão SAU-CTMs e HA-CTMs não co-cultivadas, crescidas isoladamente em meio osteogênico, as quais serão comparadas com as HA-CTMs crescidas em co-cultura indireta com SAU-CTMs. As respostas celulares avaliadas serão proliferação celular, atividade de fosfatase alcalina (ALP), formação de matriz extracelular mineralizada e expressão gênica dos marcadores osteoblásticos RUNX2, osterix, ALP, sialoproteína óssea e osteocalcina. Os dados serão submetidos ao teste de aderência à curva normal para determinar o teste estatístico adequado. Os resultados desse estudo poderão contribuir para determinar as características de células candidatas ao uso em terapia celular em pacientes com hipertensão arterial, visto que este se constitui um problema de saúde mundial. (AU)