Busca avançada
Ano de início
Entree

Casa das Caldeiras das IRFM - Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo, São Paulo: identificação, reconhecimento e intervenção

Processo: 17/26681-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2018
Vigência (Término): 02 de outubro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Projeto de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Hélio Hirao
Beneficiário:Davi Luis Galindo dos Santos
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):19/22108-4 - A intervenção contemporânea sobre o patrimônio industrial: La Fábrica de Hielo, Valência, Espanha, BE.EP.IC
Assunto(s):Patrimônio histórico   Edifícios industriais   Projeto de arquitetura   Restauração museológica   Desenho arquitetônico   São Paulo (SP)

Resumo

A pesquisa insere-se no debate sobre a intervenção projetual em preexistência urbana e arquitetônica patrimonial de caráter industrial levantando e sistematizando dados textuais e iconográficos, bem como experimentando seu espaço físico e sociocultural e, relacionando-a com as indicações da teoria da restauração. Pretende, assim, identificar, reconhecer, levantar o processo histórico do projeto de intervenção e analisar o contexto atual da obra usada e apropriada da Casa das Caldeiras/IRFM - Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo, São Paulo-SP, testemunho material do desenvolvimento da industrialização brasileira, implantada na década de 1920, abrigou caldeiras vindas da Europa para produzir energia para o parque industrial do Conde Francesco Matarazzo, foi tombada em 1986 pelo CONDEPHAAT- Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo e pelo IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. O conjunto arquitetônico composto pela Casa das Caldeiras, um dos únicos remanescentes do complexo fabril das IRFM foi restaurado e ressignificado em 1998-1999 como Centro Cultural e de Eventos pelos arquitetos Marcos Carrilho e Victor Hugo Mori. Desse modo, através de uma investigação crítica subsidiada pela percepção do espaço, teoria da restauração e recomendações das cartas patrimoniais internacionais, busca promover discussões e reflexões para contribuir com a pesquisa e prática profissional do arquiteto urbanista e suas possibilidades de intervenções sobre as áreas abandonadas e deterioradas com valor patrimonial restauradas e ressignificadas para a cidade contemporânea. (AU)